i iNDA TEM FRANÇÊiS Qi DiZ Qi A GENTi NUM SEMO SERO

@ PROTESTO CONTRA GILMAR MENDES TOMA CONTA DO PAÍS. O piso da entrada do Supremo Tribunal Federal, da Praça Afonso Arinos (em BH) e a estação metrô Consolação, na Av. Paulista, ficaram iluminados por milhares de velas esta semana. Foi o protesto organizado pela blogosofia brasileira, com o mote “Por Uma Nova Luz no Judiciário”. O alvo é claro: o desmonte que o judiciário brasileiro tem sofrido, capitaneado pelo presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, com a conivência dos seus colegas, à exceção do lúcido ministro Joaquim Barbosa. A atuação de Gilmar, que não se reduz aos dois habeas corpus a favor de Daniel Dantas, que lhe valeu o apelido de Gilmar ‘Dantas’ Mendes, mas inclui o uso restritivo de algemas, o grampo jamais comprovado, o chamamento “às falas” ao presidente Lula, a coerção ao trabalho da Polícia Federal e do Ministério Público, justamente quando estas instituições passaram a funcionar de acordo com seus princípios republicanos, tudo isso mostra o quanto esta subjetividade elitista e reacionária – da qual Gilmar é vetor – é nociva ao país. O protesto é, portanto, um chamamento “às falas” ao presidente, que não teme se identificar com as forças mais reacionárias da direita tradicional. Gilmar afirmou não se pautar pelo “homem da esquina”, e que os ministros devem enfrentar a opinião pública: confirma, portanto, Joaquim Barbosa. Não saiu, nem é capaz de ir à rua. O que pode lhe valer um encurtamento da carreira na magistratura. I inda tem françêis…

@ OMS DIZ QUE GRIPE A NÃO DEVE SER GRAVE NA AMÉRICA DO SUL. Duas notícias ruins para a mídia sequelada brasileira: a Organização Mundial da Saúde informou que o surto de gripe A não deve atingir de forma grave a América do Sul. Segundo a entidade, o continente está bem preparado e apresenta um bom nível de prontidão e de prevenção social. A agência destacou ainda os dois principais grupos de risco: jovens saudáveis, que só procuram ajuda quando o quadro é grave, e pessoas com problemas de baixa imunidade. De qualquer sorte, nem mesmo os seis casos já detectados no país devem servir de combustível para a fobolatria da mídia braziniquim, já que em países onde há efetivamente epidemia — principalmente os EUA e o México — o quadro é muito mais grave e não há sequer comparação com o caso do Brasil. De quebra, a OMS, ao elogiar a organização social do cone sul afirma a autonomia e o desenvolvimento dos países latinos, os mesmos que, há pouco mais de dez anos, deram uma guinada à esquerda, para desespero dos saudosos do neoliberalismo. O espirro fóbico desta vez é da mídia oficialesca. I inda tem françêis…

@ O QUE A MÍDIA MOLAR NÃO EXPLICA SOBRE A GRIPE ALCUNHADA DE “SUÍNA”. A exploração no capitalismo sobre o trabalhador tem como escopo a ultrapassagem do trabalho necessário rumo ao trabalho excedente. Assim, torna-se possível a mais-valia. E para tanto é necessário um mercado dinâmico para onde esse excedente possa escoar. Nesta constante do capital, mercado e mais-valia constituem um sistema fechado onde tudo se torna uma mercadoria equivalente ao lucro. Assim é com as matérias inorgânicas constituintes de doenças. Desta forma, a mídia molar, adepta do modo de produção capitalista, não se preocupa em explicar socialmente as razões desta gripe viral, acunhada erroneamente de “suína”. Já na alternativa blogosfera, as coisas são diferentes. Podemos encontrar no blog Diário Gauche: “o vírus dessa gripe se originou da combinação de múltiplos pedaços de ADN humanos, aviários e suínos. O resultado é um vírus oportunista que acomete animais imunodeprimidos, preferencialmente porcos criados comercialmente em situações inadequadas, não-naturais, intensivas, massivas, fruto de cruzamentos clonados e que se alimentam de rações de origem transgênica, vítimas de cargas extraordinárias de antibióticos, drogas do crescimento e bombas químicas visando a precocidade e o anabolismo animal”. Desta elucidação, podemos inferir o quanto esta gripe viral nada tem a ver com os absurdos antropomórficos que fez a triste mídia batizando-a de “suína”, ao contrário ela é efeito da exploração do sistema capitalista em busca da mais-valia; em especial, neste caso, produzido pelo agronegócio internacional na figura do grupo norte-americano Smithfield Foods, cuja sede mundial fica no Estado de Virgínia (EUA). Contudo, não se pode esperar muita coisa da mídia sequelada. Ela faz apenas o que lhe é próprio por ser um efeito e uma condição da subjetividade capitalística. I inda tem françêis…

@ PRAZO PARA UNIVERSIDADES FEDERAIS DECIDIREM SE ADEREM AO NOVO Enem VAI ATÉ O FIM DESTE MÊS. A primeiras provas do novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que podem ser usadas, pelas universidades federais que aderirem ao exame, como prova única, como primeira fase, combinado à nota do vestibular tradicional ou para seleção de estudantes para vagas remanescentes, já estão marcadas para serem aplicadas nos dias 3 e 4 de outubro. O que já está marcado também é o prazo limite para as universidades federais que ainda não aderiram decidirem se farão ou não a adesão. Este prazo vai até o fim deste mês. “A maioria das universidades já tomou posição, algumas ainda estão debatendo. Até o fim de maio, tudo estará decidido”, afirmou o ministro da educação Fernando Haddad. O novo Enem proposto pelo Ministério da Educação carrega consigo elementos que podem enfraquecer a tradicional pedagogia conteudista que dá margem a outras formas de pedagogias como a da chantagem, onde o estudante se torna um refém da nota. Junto ao novo Enem, o governo federal já vem realizando uma reforma no ensino médio público, onde estão sendo privilegiadas disciplinas optativas, que tornem o currículo escolar mais dinâmico e democrático. É o governo federal explicitando que a escola e a educação não se limitam a cega obediência de ordens caducas. I inda tem françêis…

Vamos que vamos

Que quem não chegou já foi

E quem não procura chegar

Já nem vem mais…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.