COLUNA VERTEBRAL

Se a Vertebral não analisou nada se realizou

http://farm2.static.flickr.com/1170/1215798491_0ee4c33e86.jpg?v=0

# Alguns internautas acessam esta Coluna Vertebral procurando informações sobre a verdadeira coluna animal. Sim, porque há colunas de várias formas e posições. Há coluna arquitetônica, coluna de guerra, coluna do meio, etc. Pois tá, para atender um pouco a busca desta informação bio-anatômica humana, vamos enredar a coluna vertebral em significações social/política.

Como a coluna vertebral é dividida em quatro segmentos, sendo eles: coluna cervical, coluna torácica, coluna lombar e coluna sacra, e estando cada uma posicionada no mundo de acordo com suas relações sociais e políticas, certo é que a coluna vertebral não seja uma efeito total de uma ação em suas partes colunáveis. Aí nossa quase informação. Desta forma, podemos didaticamente aventar.

A COLUNA CERVICAL, sendo a transição entre a cabeça e o tórax, recebe diretamente influências do exterior. Se seu proprietário for crente na vida, ela convida a cabeça para construir bons encontros que aumentam a potência de agir. Mas se seu proprietário for um otário, ela força a cabeça a se inclinar e não ver o mundo para poder agir. Assim, implica em sua indiferença às outras colunas e torna o corpo suicida. Pergunta-se então: para que serve a cabeça?

A COLUNA TORÁCICA mostra a autonomia do corpo no mundo, pronta para enfrentar com o coração e os pulmões as adversidades dos sistemas antagônicos a si. Principalmente ao capitalismo. Entretanto, se ela tem um coração sentimentalizado pelas canções do Roberto Carlos, os pulmões obstruídos pelo sopro da direita e as costelas circulando entropicamente, vai impedir circulação energética à cervical e comprometerá os movimentos da lombar e sacral. Aí poder-se afirmar com convicção: este corpo é como certos políticos, não têm peitos.

A COLUNA LOMBAR é a mais transada, segundo a sabedoria popular. É sempre lembrada pela palavra de ordem: “Estou com dor lombar!”. Na linguagem banal, é a mais vulgar. É muito conhecida dos jogadores de futebol. Todavia, é uma coluna filosoficamente nietzscheana. Em “Assim Falava Zaratustra”, no aforismo “As Três Metamorfoses”, o filósofo mostra que o lombo tem duas funções. Uma, para carregar os pesos dos valores dos reativos. E outra, para sustentar a potência criadora da vida. No caso da maioria dos homens, funciona a primeira. Assim, pode-se compactuar com a dito popular: “É a volta do cipó de arueira no lombo de quem mandou dar!”.

A COLUNA SACRA, na sociedade de consumo sexual, onde, como disse o filósofo Barthes, “o sexo está em todo lugar, menos na sexualidade”, carrega vários atrativos que ficam só no atrativo. Como nos rebolados de algumas exibições que na hora do vamos ver, os rebolados rebolam para a rigidez. Foi nessa coluna que o psiquiatra Reich fincou sua “Teoria do Orgasmo”. Foi aí que ele percebeu a grande força de imobilidade sexual da “couraça muscular”. Aquela que impede a circulação da energia vital capaz de tornar o homem saudável para o trabalho e o amor. É ela que mostra que o homem não é de todo um animal erectus. Muitos homens, basta verem um sinal patronal, sentam e consentem. É uma coluna também com duas funções. Uma, auxilia no orgasmo revolucionário. Aquele que revigora os amantes para tomar o mundo como compromisso criativo/produtivo. Outra, o orgasmo é simulado por alguns gritinhos, reviradas de olhinhos, olhando, e, depois, uma rapidinha saída para se lavar, e se culpar. Expressa a insegurança maior dos homens e mulheres. O desespero de não poder gozar em si e na vida. Daí terem que buscar sublimações no dinheiro, no falso saber, na força, no glamour e na porrada. Por isso se afirma: um corpo é sua coluna vertebral, cuja potência ou impotência começa no rabinho.

É em razão destas funções social/política da coluna vertebral bio-anatômica que esta Coluna Vertebral significa seus rastros que saltam no glamour, no dinheiro, no poder, na trapaça, etc, em todos os significados abestalhantes do sistema das inutilidades que é o capitalismo.

# Que a Zita é sacal nas questões da cognição todos seus amigos e migas sabem. Agora, que ela é curtidora da estupidez da objetividade, ninguém sabia. Ontem, ao sabor da batida de mangarataia, ela afirmou que todos erraram quanto a idade da divina Dercy Gonçalves. A deusa da comédia brasileira não morrera com 101 anos, afirmou. Dercy ultrapassou muito a barreira dos cemzinhos. Perguntada de onde ela havia tirado a inferência cronológica, Zita respondeu que da Globo. Ouviu e viu uma apresentadora da mídia escandalosa afirmar: “UM BRINDE ÀQUELA QUE MAIS DE 100 ANOS FEZ A ALEGRIA DO BRASILEIRO”. Para a Globo a Dercy já era comediante antes de nascer. Ou então começou a fazer comédia com um ano. Para afirmar que a divina alegrou o Brasil mais de 100 anos. A Globo é perigosa, meu. Não satisfeita em ser a mater da otarização do telespectador, agora envereda pela destemporalização do Brasil. Nisso me pergunto: será que hoje é segundona TDPM – Transtorno Disfórico Pré Menstrual? Sendo ou não sendo, sinto-o.

Se o baião não é xote, não importa.

Tudo vira Rock!

Beijos e abraços Vertebrais!

6 thoughts on “COLUNA VERTEBRAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.