CLINAMEN

___ oblíquas variações infinitas dos corpos ___

 

__Eu___Tu____Ele_____Nós_______Vós_________Eles   Para que tantas pessoas se o Eu já as carrega   Vozes   Vozes outras    Vozes-Movimentos  Vozes-Impedimentos  Vozes-Moleculares  Vozes-Molares          “Os olhos da cobra verde, hoje foi que arreparei. Se arreparaci a mais tempo, não amava quem amei. Sudade, meu bem, sudade. Sudade do meu amor”        Quer queiramos ou não, sobra perversidade na ‘oposição’. O adiamento da votação do Orçamento Geral da União assevera. A maldade reflete nas obras do PAC. Tudo que o mal quer.  A filósofa Bárbara Cassin, diz que ao contrário da idéia, a democracia é seu constante devir. A ‘oposição’ se mantém da representação, ficcionada, de democracia.             Assim, como uma mulher usar a linguagem de mulher, não significa que seja mulher, assim, um partido ter o nome de democrata não significa que seus membros sejam democratas.         “Trata-se de romper com certos hábitos de pensar e de perceber que se nos tornaram naturais. Cabe voltar à percepção direta da mudança e da mobilidade”                            Bérgson

______________________Antes da mulher tem a fêmea. O conatus da fêmea é o instinto. A massa-molar da mulher é a civilização. Trata-se da fêmea liberta o instinto da mulher.       O filósofo Heráclito preparava seu Kykeón, mistura de farinha de cevada, com menta e água, quando um discípulo perguntou-lhe o que seria a homónoia. Ele continuou mexendo sua bebida. Depois bebeu-a e saiu. A homónoia é a mistura das potências dos homens pertencentes a um estado. A igualdade de pensamento de todos: A Democracia.              “O sentido musical do homem só é acordado pela música. A mais bela música nada significa para o ouvido completamente não-musical,…  Assim, só pode existir para mim na medida em que a minha capacidade existe para ele como habilidade subjetiva, porque para mim o significado de um objeto só vai ate  onde chega o meu sentido”                         Marx         __________________

Dos entendimento do mesmo. Os jogadores e a torcida do Flamengo ridicularizaram a torcida e os jogadores do Botafogo, porque estes choraram diante da derrota do time amado de Roberto Marinho. Valdívia, jogador do Palmeiras, encenou um choro depois de seu gol que venceu o Corinthians. Perguntado por que chorou, respondeu que de alegria. O Nacional do Uruguai  goleou  os do choro-sádico: 3X0. Qual o choro real? O do Botafogo. Mas um choro do ressentimento: tu és a causa da minha dor.            Existe uma marchinha de carnaval cujo texto enuncia: “O Cauby vai casar, em Portugal. Vai ser legal, lega!” Cauby, em certo momento de seu Show, clama ao público que vai apresentar a mulher com quem casou e nunca se separou, então enuncia cantante: “Conceição, eu me lembro muito bem. Vivias no morro a sonhar com coisas que o morro não tem. Foi então, que lá em cima apareceu”, Lula. Lula, no começo de 80, foi entrevistado pelo filósofo francês Guattari. Guattari sabe que os espaços construídos nos interpelam. Lula, também. Lula sabe que em uma cidade, afetos alegres e aumento dos graus cognitivos estão diretamente implicados com os espaços construídos urbanos. O que o filósofo Sócrates chamava de letras grandes da cidade. Lula atua na produção do engrandecimento da alma dos favelados. Se há cidade, é preciso viver como cidadão. Urbanizar as favelas não é só modificar sua aparência exterior, mas mudar a subjetividade triste para a subjetividade alegre, como existência poiética. Cauby não deu pelota a marchinha discriminadora: casou com Conceição, já que o amor comunalidade entre os homens, é essencialmente potência, onde não há distinções. Mas “deve criar caso, a caso, comunidades de saberes e desejos”, como afirma sobre o amor, o filósofo italiano, Toni Negri.  Cauby e Lula. Dois parceiros dos morros.     _________________Na década de 50, um paraense, cantava: “Tem sete minino estudando, tem sete querendo estudar, tem sete minino esperando o distino que Deus vai lhe dar. Já pensou que alegria terá eu e Conceição: Ver nossos filhos formado, com bastante educação. Noi não tivemo estudo, mas podemos educar…”  2008. Tem Bolsa Família: Toda criança na escola. Pró-Uni: Todo jovem na Universidade. Tem o PAC da Educação. Mais de meio século depois, o paraense compõe com Lula: “Nos não tivemos estudo, mas podemos educar!”           “Afinal, o que resta de nossas vidas é a Vida, informada substância que nos veicula”                         Moacyr Félix      ____________________Na margem de sua angústia existencial, ele confessou à ela: – “Se o mundo é Gay, como que eu estando no mundo, não me sinto gay?” Ao que ela respondeu, sorrindo: – “É porque tu és triste!”                 “Há meios de esconder um homem?”                  Valéry            ____________________ 

Muitos jovens nada sabem das mortalhas que os tiranos lhes tecem. Mas o pior, é que a a posteriori, na ‘adultice’, tecerão mortalhas aos seus jovens.         “Eu tinha vinte anos, não me venham dizer que é a mais bela idade da vida”              Paul Nizan      ___________Para a grande mídia compreender que ela é anti-democrática, ela teria que se duplicar: ser outra. Aí, seria objeto de análise de si mesma. Mas ninguém pode ser outro sem deixar de ser o que era. Logo, a mídia não pode analisar a si mesma, pois já não seria a grande mídia. Seria a mídia democrática. Lógica que nos implica: ela não pode acreditar no que sabemos dela. Somos sua alienação. Nos resta continuar tecendo a rede de desejos, onde ela, com suas necessidades, não pode existir      “Navegar é preciso; viver não é preciso. Quero para mim o espírito (d)esta frase, transformada a forma para casar com o que eu sou; Viver não é necessário, o que necessário é criar”                  

                      Fernando Pessoa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.