PT DE MANAUS AINDA NÃO QUER SE APEQUENAR

As bases do PT de Manus pressionaram e entenderam da necessidade de lançar candidatura própria. Houve correligionário a afirmar que ontem o PT de Manaus somente ia homologar a decisão de não sair com candidatura própria para a Prefeitura de Manaus, devido a uma decisão impositiva da executiva nacional do Partido do Trabalhadores. Mais certo ainda por se conhecer o cardealismo predominante no PT manauense; cada qual puxando para o lado onde estão seus cargos.

Se assim houvesse ocorrido, restaria então decidir que candidatura apoiar. Quanto a isso, duas tendências aparecem não querendo candidatura própria. Uma liderada por Jorge Guimarães, que forçava para apoiar a reeleição de Serafim Correa (PSB), e outra liderada por Waldemir Santana, que tencionava apoiar Omar Aziz (PMN).

Entre os que querem candidatura própria eis que, quando todo mundo conjeturava de ele apoiar Omar, conhecida sua ligação com Eduardo Braga, aparece Sinésio Campos. Mas com uma condição, desde que seja ele o candidato. Mas há quem diga que Sinésio continua com a perspectiva de marchar ao lado de Omar. A estratégia de Sinésio seria sair como nome do partido, mas não passaria nas prévias do partido, tornando-se, então, vice de Omar. No entanto, o deputado federal Praciano soube por notícia não oficiosa que Omar Aziz teria afirmado que não quer nada com PT no 1º turno, apenas no segundo. O PT, então, continuaria seu papel subalterno atual.

Até então a possibilidade de candidatura que tem despontado como fora destas jogadas/barganhas está no nome de Praciano. Mas há pessoas filiadas e não-filiadas ao PT que dizem que a exigência de Praciano de se candidatar somente se os movimentos sociais e o povo assim exigir sua candidatura está lhe causando uma imobilidade e uma demora nas articulações para impulsionar seu nome.

Por enquanto, o PT de Manaus não quer se apequenar, graças aos movimentos de base, que, inteligentemente, vêem a possibilidade de lançar uma candidatura numa eleição onde o quadro de candidatos é só de nomes repetidos e já batidos pelo povo manauense. Mas com certeza os movimentos de base ainda terão que enfrentar várias quedas-de-braço com a alta cúpula dos cardeais petistas de Manaus. Afora alguns que citamos aqui, existem por fora pessoas como Marilene Corrêa, unha e carne com Braga, e Marcus Barros, o braço destro do prefeito Serafim. Mas é a luta por não deixar nestas eleições que o PT permaneça tendo um papel simplório, compactuando com a mediocridade e arraigado ao capachismo à prefeito e governador.

2 thoughts on “PT DE MANAUS AINDA NÃO QUER SE APEQUENAR

  1. Boa tarde.Lamentavel o PT,do presidente mais querido dos ultimos anos,aqui en Manaus, nao fala a linguagen democratica verdadeira, busca senpre estar en cima do muro,somente tomando posiçoes en beneficio de grupos,A,B,ou c en secretarias.Se fose mais democratico,estaria unido con o povo,e a vontade do povo ja teria eleito o prefeito do partido e ate o governador.E ai sin nao teriamos perdido noso tenpo durante eses anos todos defendo o pt do presidente Lula unidos sin con todas as clases sociais para fazer valer os direitos individuais e coletivos,e fazer justiça con justiça,nao so para os que cometen delitos mas tanben,justiça as vitimas.

  2. QUANTO AO CONCURSO SEDUC – AMAZONAS – 2011
    Outra coisa é o número de questões para pouquíssimo tempo. O prof. nível superio só tem 4 horas e 30 min para 120 questões e a redação e o fundamental 3 horas e 30 min para 100 questões. ISTO É O CÚMULO!!!!!! Não dá para avaliar um candidato nesse ínfimo tempo e exagerado número de questões, SEM CONTAR COM O PREENCHIMENTO DO CARTÃO-RESPOSTA… Olhe o que estou dizendo, vai sair muita gente triste porque NÃO CONSEGUIU REALIZAR a provanem muito menos o cartão resposta. ISTO TEM QUE MUDAR!!!!! aLGUÉM SE DEU CONTA DESSA LOUCURA. (dasilva.joao.renato@gmail.com)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.