CLINAMEN

___ oblíquas variações infinitas dos corpos ___

____________________Dobrar, desdobrar a voz no ressonar do ouvido como simulacro da rostidade. Dissolvido o Eu, dissoluto prospectua a loucura. Translação incapturável do amor.           “Quer tenhamos consciência ou não, o espaço construído nos interpela de diferentes pontos de vista: estilístico, histórico, funcional, afetivo…” (Guattari)  Uma cidade é um composto constitutivo de vibrações corporal e incorporal. Nos impõe encontros afetivos/cognitivos aumentando ou diminuindo nossa potência de agir como ser urbano. Daí que ser alegre ou triste depende dos encontros na cidade.  A administração de uma cidade depende dos graus de potência de seus governantes. Governos tristes, cidades tristes.         Solução volátil inapreensível em ti.    __________  _____ _  ___O anel simbólico é o real do imaginário   No inferior a vaidade é sua virtude         Questão de perspectiva, física, e geometria: Maradona chuta do meio do campo e acerta o travessão. Pelé se considera frustrado por não ter feito um gol do meio do campo.           “Os filósofos não brotam da terra como cogumelos, eles são os frutos da sua terra, do seu povo, cujas energias, tanto as mais sutis e preciosas como as menos visíveis, se exprimem nas suas idéias filosóficas. (…) A filosofia não é exterior ao mundo” (Marx)        Ser cortado    ser  sangrado   ser cicatrizado   Certas   experiências   são  desnecessárias           “Meu samba é a voz do povo. Se alguém gostou posso cantar de novo” (João do Vale)      Rola no morro e no asfalto vozes cantando Leci Brandão como possível ocupante da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Ela canta: “Pensarei com carinho.  (…) Sou independente. Defendo tudo que acredito, negros, índios, quilombolas, canto em penitenciárias. Luto pelos menos favorecidos e eles me consideram uma defensora das reivindicações deles”.   Dona Leci já faz parte da Secretaria.    ___________________ __________________________________________________O que os parlamentares chamam de começo do ano político não é nada mais do que a ostentação massiva da intriga na mídia seqüelada. Pof   pof       pof           pof         pof        Um dos irmãos dias e dias parados, o Álvaro (Tiro ao Álvaro, Adoniran Barbosa), o do PSDB, contesta uma CPI dos Cartões de 1998 para cá, pois, para ele, não vai dar em nada. De certa forma filosófica, o ilustre senatorial carrega uma inquestionável lógica: A administração do Fernando Cardoso em questões democráticas foi nada. E como se sabe, no mais deslizante raciocínio, de nada não se tira nada. Mas é alguma coisa a exacerbação corporativa do uso dos cartões em tal desgoverno. Será isto o nada? Enquanto isso, em seu mundo onírico, Arthur, “orgulho do Amazonas”, nos braços de Morfeu, como presidente do Brasil, se auto enuncia relator da CPI.        Por quem os gringos choram?  “O homem que perde a razão e o homem que se afoga levantam ambos os braços aos céus. O primeiro testemunha a união, o segundo resiste aos elementos” (Kafka)     De todas minhas metamorfoses, a pior foi a que permaneci.      “Eu ontem rasguei o teu retrato ajoelhado aos pés de outra mulher” (Celestino e Índio do Brasil)          O metal nada sabe da utilidade que lhe imprimem.         “Palmas pra dar IBOPE! Pra da IBOPE! Palmas pra dar IBOPE” (Ednardo)  Freud, autor da terceira ferida narcísica  do homem, afirma serem ativo-passivo o exibicionista e o voyeur. O duplo deslocamento do prazer. O olhar interceptado onde o corpo não se constituiu em estrutura lingüística de si mesmo, por tal não reflete sua atuação no mundo. Daí buscar pela exibição (ativo) o olhar do voyeur (passivo) como conforto à dor da invisibilidade corpórea. Daí o voyeur (passivo) tentar encontrar no corpo exibido o corpo que lhe falta ontologicamente. Duplicação alucinante. BBB bebe muito bem estas duplas bebidas em um só beber. Confinado, o exibicionista alucina existir pelo olhar do voyeur-telespectador. O voyeur-telespectador alucina,  vê a si na alucinação do exibicionista. Danças espectrais. Dissipação do outro e do olhar. Pergunta para Freud: BBB8  não emplacando audiência, significa cura do olhar, ou aumento da população televisa que não acredita na espectral Globo como fonte do prazer? __________       ______  ______________ “E as baleias desaparecendo por falta de escrúpulos comercias…” (Roberto Carlos)   Será que o rei da amargura é conhecido pelos abatedores de baleia do Japão?   Parlamentares sabujos de empresários devastadores querem criar lei que diminua a extensão da Amazônia Legal. Nos planos estão principalmente terras do Mato Grosso, um dos grossos da grilagem. Fato preocupante para o mundo, já que segundo o poeta todos nós somos Raimundo. Por isso Marina não se pintou. Não para fazer favor.              Viu o brilho de seu olhar? E ele estava de olhos abertos?               “A crueldade não é algo que acrescentei a meu pensamento, ela sempre viveu ali: mas eu tinha de tomar consciência dela. Uso a palavra crueldade no sentido de apetite de vida, rigor cósmico e necessidade implacável, no sentido gnóstico de turbilhão de vida que devora as trevas, no sentido dessa dor fora de cuja necessidade inelutável a vida não consegue se manter; o bem é desejado, é o resultado de um ato, o mal é permanente (Artaud)”  __________

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.