PF DIZ QUE INVESTIGAÇÃO ‘NÃO DEIXA DÚVIDAS DA FAÇANHA CRIMINOSA DE MILTON RIBEIRO’ NO MEC’

Polícia Federal entende que ex-ministro da Educação “utilizou o prestígio da administração pública federal para a suposta prática dos crimes”

Milton Ribeiro, ex-ministro da Educação de Bolsonaro (Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil | Alan Santos/PR | Reuters)

 

247 – A Polícia Federal afirmou à Justiça Federal que os fatos apurados na investigação contra Milton Ribeiro “não deixam dúvidas da façanha criminosa” do ex-ministro, de acordo com o jornal O Globo.

O órgão investiga a os supostos crimes de Ribeiro e dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos contra a administração pública. Entre as acusações, estão corrupção passiva privilegiada, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência. Os três foram presos preventivamente na manhã de ontem.

Três indícios de pagamentos de propina também são citados pela investigação: a venda de um carro Kia Sportage por R$ 60 mil pela esposa de Milton à filha de Arilton; e duas transferências bancárias de R$ 20 mil e R$ 30 mil para Luciano Musse, ex-assessor do Ministério da Educação, e Helder Bartolomeu, genro de Arilton, respectivamente. Ambos também foram presos.

.

“As camadas de atuação são perceptíveis e individualizam perfeitamente as condutas, sendo o ex-ministro da Educação quem conferia o prestígio da administração pública federal à atuação dos pastores Gilmar e Arilton, conferindo aos mesmos honrarias e destaque na atuação pública da pasta, até mesmo, internamente, nas dependências da sede do Ministério da Educação, e, sobretudo, nos eventos onde os pastores faziam parte do dispositivo cerimonial”, afirma a PF.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Os fatos acima informados não deixam dúvidas da façanha criminosa de Milton, Gilmar, Arilton, Helder e Luciano, ao utilizarem o prestígio da administração pública federal para a suposta prática dos crimes”, conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.