ACUSADOS DE ASSASSINAR LIDERANÇA DO MST SÃO PRESOS NO PARANÁ

VIOLÊNCIA

Ênio Pasqualin foi sequestrado e morto no dia 24 de outubro

Redação Paraná
Brasil de Fato | Curitiba (PR) |

 

Cerimônia de enterro de um dos caciques assassinados em dezembro; Raimundo e Firmino Guajajara foram mortos em uma emboscada, que deixou outros indígenas feridos – Mídia Índia

Na última sexta-feira (27), a Polícia Civil de Laranjeiras do Sul (Paraná) concluiu o inquérito sobre o assassinato de Ênio Pasqualin, liderança do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Paraná. Três homens, que não tiveram seus nomes divulgados, foram presos. Um, acusado de ser o mandante do crime, e outros dois, os executores.

Saiba mais: Líder do MST no Paraná é sequestrado e morto a tiros

A primeira prisão aconteceu em 20 de novembro, em Chopinzinho. Na quinta-feira (26), ocorreram as outras duas, em Pato Branco e São Marcos (RS). O homem preso no Rio Grande do Sul é apontado como mentor, articulador e contratante do crime.

De acordo com as investigações, um dos responsáveis pela execução de Pasqualin tinha dívida de R$ 800 com o mentor, e o crime foi uma forma de saldar o valor.

O responsável pela contratação forneceu armas de fogo e levou a dupla até as proximidades da casa da vítima, no Assentamento Ireno Alves dos Santos, em Rio Bonito do Iguaçu. Ênio Pasqualin foi tirado de sua casa e executado com um tiro nas costas.

Leia também: Como o MST se propõe a enfrentar o agronegócio plantando soja orgânica

Segundo a polícia, foi apurado durante a investigação que os dois responsáveis pela execução não conheciam Pasqualin. Já o contratante afirmou que teve um desentendimento com a vítima por conta de um problema com o lote de um familiar. Os presos ficam, agora, a disposição da justiça da Comarca de Laranjeiras do Sul.

Ênio Pasqualin iniciou sua militância no movimento em 1996, já em Rio Bonito do Iguaçu, onde fez parte de uma das maiores ocupações dos sem terra: cerca de três mil famílias ocuparam o latifúndio da Giacomet Marodin, atual madeireira Araupel, no dia 17 de abril daquele ano.

Fonte: BdF Paraná

Edição: Lia Bianchini

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.