O FILÓSOFO EPICURO E OS PREFEITOS DE MANAUS

Carregados por mitos e mistificações, alguns homens na vitória a na adversidade atribuem a si grandezas divinas. “Há aí o dedo de Deus”. O filósofo Epicuro, pensando sobre estas atribuições, considerou: “Deus, ou quer impedir os males e não pode, ou pode e não quer, ou não quer nem pode, ou quer e pode. Se quer e não pode, é impotente: o que é impossível em Deus. Se pode e não quer, é invejoso: o que, do mesmo modo, é contrário a Deus. Se nem quer nem pode, é invejoso e impotente: portanto, nem sequer é Deus. Se pode e quer, o que é a única coisa compatível com Deus, donde provém então a existência dos males? Por que razão é que não os impede?”. Porque os males são negócios dos homens. Criados e implicados neles. Ontem, domingo, aqui em Manaus, houve uma tempestade com fortes ventos que causou pavores na população e grandes estragos materiais as famílias e as vias públicas. Fato natural incomum na cidade. A cidade é produto dos homens. Suas ruas, seus prédios, suas pontuações urbanas/arquitetônicas são produções dos homens. Todos os feitos e defeitos, bons ou maléficos, são da ordem dos homens. A cidade é dos homens, dizia o filósofo Sartre. E acrescentava que tudo da cidade é revelação do homem. Epicuro nos livra de Deus: os males são nossos. Deus jamais os queria em nós. Daí, a responsabilidade de todos os males de Manaus está nas mãos de seus administradores e não nos desígnios de Deus. A Manaus que não suporta um temporal, a Manaus que alaga, que fica intransitável, que fica horas sem energia e água, é produto da incompetência dos seus prefeitos que construíram e mantiveram um cidade sem condições de suportar no natural. O natural que é arrolado como a causa dos males urbanos. Mesmo sendo vivente anterior à cidade. Na história próxima de Manaus, sem Deus, quais são os responsáveis por seus males? Amazonino Mendes, Arthur Neto, Eduardo Braga, Alfredo Nascimento, Carijó e Serafim. A grande ironia para estes cristãos: sem Deus não há quem culpar. Eis a grande contribuição filosófica de Epicuro, que a 342 a 270 a. C. preconizou os argumentos que seriam usados pelo prefeitos de Manaus para explicar suas ineficiências administrativas nos séculos XX e XXI. E assim, livrou a cara de Deus.

1 thought on “O FILÓSOFO EPICURO E OS PREFEITOS DE MANAUS

  1. Leitores!
    Como antes, nos primórdios, o povo é ludibriado por seus governantes. Naquele momento histórico, um pouco de razão e lógica desmontou toda enganação apoiada no senso comum, bastou um pouco de bom-senso para que se corrigir os efeitos das falácias que hoje estão na boca-suja dos poliqueiros.
    Não penso que a solução esteja, agora no segundo turno, nos candidatos a Prefeitura de Manaus, ambos sabem o que fazer e como fazer, tem os recursos e sabe onde buscá-los, mas infelizmente ao assumir o governo da cidade eles esquecem o que deve ser feito. Sem dúvidas farão o mal à “cidade” de uma vez só, mas as coisas boas farão em gotas homeopáticas, lembro Maquiavel, mestre frorentino, de quem eles são discipulos senão phd em maquiavelismo.
    Força no teu arco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.