ENQUANTO SERAFIM SEGREGA, O POSEIDON SEGUE…

O prefeito Serafim, às vésperas do ano que inicia, afirma em entrevista televisiva que os buracos que ainda existem nas ruas de Manaus, após grande operação da SEMOSBH, se existirem, são “residuais”.

Poseidon I

O resíduo, na semiótica capitalística, é o resto, aquilo que resulta de uma operação, tenha sido algo não esperado ou que “sobrou”, não reagiu, não “aconteceu”. Para Serafim, portanto – e não adianta dizer que não teve a intenção: a palavra escapa ao falante e transborda sentido – os bairros do Novo Aleixo, Monte Sião, Cidade de Deus, Nova Cidade e outros, onde o projeto Poseidon continua vivo e pulsante, são resíduos da Manaus que ele acredita administrar. Ou seja: não fazem parte dela.

Poseidon II

Mais que um desrespeito à cidade (maior exemplo de uma não-cidade é um administrador que não consegue, perceptivamente, compreendê-la), é uma demonstração de que o prefeito e sua equipe não dispõem dos elementos epistemológicos e afetivos necessários à criação de linhas intensivas produtoras de uma cidade-comunalidade.

RESÍDUO-DEVIR

Para a filosofia, no entanto, o resíduo quer dizer outra coisa. Para os filósofos Deleuze e Guattari, o resíduo é justamente o elemento que carrega o intempestivo, o inesperado. Quando se descobriu o processo de refino do açúcar, foi por acaso: era o resíduo de outra experiência. O mesmo se deu com a penicilina e com os raios-x. O resíduo na filosofia é o resultante de um processual, uma experiência: resultado de um encontro de corpos onde as noções comuns proporcionam o surgimento de um outro corpo, para além das expectativas. 1+1 não é igual a 2. 1+1 = 1. É sempre um outro surgindo, carregando o novo. Comunitariamente, os “resíduos” de uma cidade produzem no corpo-cidade alterações nos modos de existir que estão para além do mero entendimento estatístico da ciência oficial dos governos. Daí a impossibilidade de serem capturados tal como são. Somente uma intensidade pode sentir outra intensidade. E esta prefeitura (assim como o governo do Estado e os poderes legislativos e judiciários do Amazonas) não tem intensidade alguma. São corpos com baixa potência de agir, esmagados pelo ressentimento e pela inação. E a população sente isso.

Poseidon III

Veja aqui as linhas do Projeto Poseidon que deixaram rastros neste Bloguinho:

Monte Sião na Trajetória do Projeto Poseidon

Projeto Poseidon e a Comunalidade Natalina

Projeto Poseidon, Meteoro, Kafka e Comunalidade

Projeto Poseidon e as Crianças no Movimento das Águas

E Poseidon Vai Chegando Intempestivo…

Que Venha a Prefeitura, Projeto Oceânico Poseidon…

1 thought on “ENQUANTO SERAFIM SEGREGA, O POSEIDON SEGUE…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.