O PSDB E SEU ELOGIO AO FRACASSO

Na cultura do culto à dor necessária, pessoas, órgãos, instituições, partidos só se acreditam existindo quando estão futurando. Quando estão elaborando planos de organização e desenvolvimento. Planos para assegurar o futuro. Planos da concepção do futuro. Fantasia do amanhã no hoje. Providência-mágica. Eliminação da atuação das combinações dos acasos. Recurso da imaginação-organizacional hoje para certeza do desenvolvimento futuro. O futuro tecnocratizado. Planejo aqui e confirmo lá. Nada além da falsificação do presente-real pela intolerância ao adverso/criativo. Assim, desprovidos de qualquer elemento racional quanto ao social, blefam como se carregassem o dom do sucesso do amanhã. Se os encadeamentos das forças econômicas/sociais/políticas coincidirem com o blefe, estão salvos. Felizmente nunca se encadeiam.

Pois bem, os risíveis componentes do PSDB, movidos pela força do fracasso, efeito da causa-inveja, se postam compulsivamente a segregar suas bílis-esquizo-temporal no território onde acreditam encontrar-se Lula: seus blefes planificados. “Lula está colhendo o que nós plantamos”. Vejamos o que se esconde por trás deste blefe-imperativo. Vamos contrair a memória e deslocá-la como atual. Sarney entendeu ser pouco quatro anos de governo para resolver os problemas do Brasil: rasgou a constituição e ampliou para cinco anos. O equilibrista Fernando Henrique, imperioso, proferiu ser pouco quatro anos: rasgou a constituição, comprou votos de parlamentares, e se reelegeu. Hoje, os passados-futuristas acusam Lula de querer se perpetuar no poder. Pensar em terceiro mandato. Equacionemos. Se para eles Lula está colhendo os louros da sapiência administrativa deles, é porque planificavam permanecer senhores do Brasil. Daí projetarem em Lula seus desejos (vazios). Daí quererem transferir a Lula suas trapaças. Como a maior parte do povo brasileiro não permitiu o blefe se realizar, eles caducam no estereótipo acusatorial. O que significa dizer: eles no começo do primeiro mandato já planejavam o terceiro. Como antes do meio do segundo, sentiram a reação popular contra ação de seus fracassos, inventaram o candidato Serra. Como não deu certo, tiveram que se banquetear com o robotizado Alckmin. E como o robot entrou em curto, eles apelaram para a onipotência: nosso saber continua em ti, Lula. Porém, se Lula/Povo não tivesse exercido seu poder, hoje, para eles, tudo estaria na lógica do normal-democrático. Todavia a Inteligência/Lula e a combinação dos casos produziram estes feitos democráticos jamais sentidos no país.

Assim, resta tão somente o elogio do fracasso. O desconhecimento dos atos falhos apresentados por Freud: dizer o que não se quer dizer. Quando não reconheço teu feitos, quero ocultar meus fracassos. Entretanto, em mim, sei de teus feitos, mas minha inveja me paralisa e não me permite te reconhecer, por isso sofro. Meu consolo é te desapreciar. Por isso afirmo: não tens educação, quando sou eu que não tenho, não sabes escrever, quando eu jamais escrevi. Por tal, meu ritual ao elogio do fracasso.

5 thoughts on “O PSDB E SEU ELOGIO AO FRACASSO

  1. Gostei muito da matéria. Ilustra realmente a verdadeira face desse partido insignificante já em frangalhos. Como todos os candidatos parecem almejar somente sua glória, fama, prepotência, orgulho e vaidade, só podia mesmo, esse partidinho estar no lugar onde ocupa: o lixo eleitoral.

  2. Aí,Rubens. Duas vezes Rubens: Rubens Paiva e Rubens o pintor. Talvez muito mais. Teus comentários possivelmente não causem ru(bens)bor neles, vaidosos do fracasso. Mas que sofrem, sofrem. Não podemos fazer nada. Mesmo que lhes servissemos frangos e alhos,à moda:frangalhos.
    Abraços, Pedrinos com comilanças e rojões!

  3. Eu tenho amigos que insistem em atribuir o sucesso de Lula à continuação do malsucedido projeto de FHC. Respondo-lhes da seguinte maneira: Suponhamos que você adquirisse uma loja comercial que faturasse R$ 100.000,0/mês. Admitamos que nos primeiros meses você dobrou ou triplicou esse faturamento, mas ao cabo de poucos anos sua estratégia comercial começou a provocar o fracasso, ao ponto de a falência se tornar iminente. Aí você me repassa esse empreendimento ameaçado de ruir e eu o reergo, decuplicando o maior faturamento que você conseguiu, com resultados positivos para mim, para meus funcionários e para todo mundo que possa se beneficiar, direta ou indiretamente, do sucesso conseguido. Você concluirá, então, que graças a você, que me vendeu um negócio falido, foi possível meu sucesso. Assim é que os fracassados do PSDB querem que o povo pense. Felizmente é verdadeira a sentença que diz que contra fatos não há argumentos. E é exatamente por isto que desta vez foi inoperante o poder massificador da grande imprensa.

  4. gosto Muito do PSDB adimiro muito o Alkime mais acho uma grande corvardia do serra de não da total apoiu ao geraldo Alkime e dra apoiu aus indiotas do DEM e dar apoio ao Kassab , quero que oSSRRA vá sé fude vá se lascar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.