PADARIA QUE VENDEU BOMBONS AO GOVERNO BOLSONARO TEM CONTRATOS COM EXÉRCITO

Filho e suposto sócio de empresária que vendeu R$ 15 milhões em leite condensado ao governo federal também têm ligações com as Forças Armadas

 

facebook sharing button
twitter sharing button
whatsapp sharing button
email sharing button

A padaria que fez parte da venda milionária de bombons ao governo de Jair Bolsonaro em 2020 – cerca de R$ 8,8 milhões – também fechou diversos contratos com o Ministério da Defesa, em especial com o Exército e Aeronáutica, ao longo do ano. Compras variam de R$ 20 a quase R$ 30 mil.

Segundo levantamento realizado pela Fórum no Portal da Transparência do governo federal, a última venda da Estela Panificadora e Confeitaria Eireli, de Fernanda Borba Cavalheiro, foi realizada em 28 de dezembro de 2020 ao Comando do Exército. Ao todo, foram repassados R$ 7,5 mil pelos produtos do estabelecimento.

Entre pequenos repasses de R$ 200, R$ 300 e R$ 400, a maioria para o Ministério da Defesa, a padaria também fez vendas com lucros que chamam atenção. Em novembro do ano passado, por exemplo, foi fechado um repasse de R$ 29,8 mil só com o grupo de apoio do Comando da Aeronáutica em Curitiba.

Uma outra venda de R$ 11 mil, em setembro daquele ano, também foi realizada com a Defesa. Desta vez, para o grupo de artilharia de Campanha do Exército.

A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) divulgou na noite desta terça-feira (26) que a empresa tem como sede uma casa simples na cidade de Campo Largo, Paraná. De acordo com a parlamentar, a empresa “vendeu em larga escala milhões de bombons pro Governo, a princípio com R$ 89 a unidade. Ou uma caixinha”.

Ainda não se sabe, no entanto, se a padaria foi a única responsável pela venda milionária de bombons ou se outros estabelecimentos também fizeram parte do negócio.

Os contratos da Estela Panificadora e Confeitaria Eireli vieram à tona junto com a informação de que o governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões com leite condensado em 2020. Todos os dados constam no Portal da Transparência do governo federal.

A empresa responsável pela venda do leite condensado, a “Saúde & Vida Comercial de Alimentos Eireli”, também teve fornecimento para as Forças Armadas. O contrato com esse setor totalizou cerca de R$ 12 milhões em 2020.

A empresa pertence a Azenate Barreto Abreu, que é casada com o pastor Elvio Rosemberg da Silva Abreu e mãe de Elvio Rosemberg da Silva Abreu Júnior, que também fechou contrato no valor de R$ 25 milhões com o governo. Eles seriam de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, mas a sede da empresa seria em Brasília.

O filho de Azenate, Elvio Rosemberg da Silva Abreu Júnior, foi oficial temporário da Infantaria. Já Walmerson Ryller Candido de Araújo, um dos sócios da mulher, é terceiro sargento do Exército.

Um dos supostos responsáveis pela Saúde & Vida, no entanto, negou que tenha realizado a venda milionária de leite condensado ao Palácio do Planalto.

A informação foi desmentida em nome da dona da empresa, Azenate Barreto Abreu, por um homem que ainda não foi identificado. A conversa com ele foi compartilhada nas redes sociais pela escritora Daniela Abade, que teve acesso ao número de celular da empresária.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.