NO RJ, DEPUTADOS APROVAM IMPEACHMENT DO GOVERNADOR WITZEL POR 69 A VOTOS ZERO

Rio Governor Wilson Witzel addresses the media at his official residence in Rio de Janeiro, Brazil on August 28, 2020. - Brazil's High Court of Justice removed Rio de Janeiro Governor Wilson Witzel from office Friday, as police raided his official residence in a probe into accusations he stole emergency funds to fight the coronavirus pandemic. (Photo by CARL DE SOUZA / AFP)

A partir de agora, comissão mista de deputados e Tribunal de Justiça do Rio decidirá pela perda definitiva do mandato

Redação

Brasil de Fato |

 

Por 69 votos a zero, os deputados estaduais do Rio de Janeiro aprovaram na noite desta quarta-feira (23) o impeachment do governador Wilson Witzel (PSC). A sessão teve início às 15h e o resultado no painel eletrônico da Assembleia Legislativa (Alerj) foi divulgado quando já passava das 21h.

Durante as mais de seis horas de reunião presencial e remota, deputados se revezaram com pronunciamentos favoráveis à denúncia envolvendo Witzel. Pouco antes das 20h, foi a vez de o governador fazer a sua defesa para a Casa Legislativa. Witzel iria ao Plenário da Alerj, mas acabou optando pela videoconferência.

A partir de agora, o processo de impeachment, que foi iniciado na Alerj no início de junho, segue para o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). Lá, será formada uma comissão com cinco deputados estaduais e cinco membros da justiça fluminense. Essa comissão mista decidirá se o mandato de Witzel deve ou não ser cassado. Em caso de empate, vota o presidente do TJ-RJ.

Leia também: Pastor Everaldo agiu como “proprietário” do governo do RJ, afirma Ministério Público

A decisão da Alerj nesta quarta-feira (23) implica no afastamento do governador do cargo. Mas Witzel já estava afastado desde o dia 28 de agosto por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) pelo prazo de até 180 dias por conta das investigações envolvendo seu nome a um esquema de desvio de recursos a partir da Secretaria estadual de Saúde. 

A denúncia

O relatório da comissão especial aprovado pela Alerj ressalta a relação entre o governo Witzel com duas organizações sociais: Unir Saúde e Iabas. E pontua a confusão existente entre os reais proprietários das duas empresas, uma vez que as investigações realizadas pelo Ministério Público e pela Polícia Federal, nas operações “Placebo” e “Favorito”, afirmam que ambas seriam na verdade controladas pelo empresário Mário Peixoto.

O relatório também cita que investigações dos órgãos federais e a denúncia protocolada na Alerj apontam fortes indícios de recebimento de vantagens indevidas por Witzel através do pagamento de honorários à sua esposa, Helena Alves Brandão Witzel. Nesse sentido, as investigações apontam que a primeira-dama teria sido contratada por cerca de R$ 500 mil pela DPAD Serviços Diagnósticos LTDA, empresa que seria controlada, segundo as investigações, por operadores ligados à Mário Peixoto.

Leia mais: Jacqueline Muniz: “Alertei o Witzel que ele seria algemado em seu próprio gabinete”

Sobre a Unir Saúde, o relatório ressalta a controversa requalificação da organização social, por resolução conjunta das Secretarias de Estado de Saúde e da Casa Civil, em outubro de 2019. As pastas desqualificaram a organização por supostas ilegalidades após o término de processo administrativo, no qual foi garantido o direito à ampla defesa e ao contraditório, o que gerou a rescisão dos contratos de gestão vigentes.

No entanto, Witzel requalificou a Unir Saúde no dia 23 de março deste ano. Segundo o relatório, “o denunciado, sem fundamento legal idôneo, utilizando do poder discricionário de conveniência e oportunidade, deu provimento ao recurso administrativo interposto pelo Instituto Unir Saúde, revogando sua desqualificação, restituindo ao instituto todos os direitos e obrigações contratuais anteriores à sua desqualificação, bem como possibilitando a assinatura de novos contratos com o Estado do Rio de Janeiro”.

O documento aprovado pela comissão do impeachment traz informações obtidas junto ao Portal da Transparência sobre pagamentos, em período no qual a Unir Saúde estava desabilitada, da ordem de R$ 26,9 milhões, o que, segundo o relatório, “indica a existência de fortes indícios de dano ao erário, uma vez que sequer se buscou proteger o Estado contra o direcionamento de dinheiro público por pagamentos de serviços que não vinham sendo prestados e que, portanto, geraram as mais graves punições à contratada”.

Já com relação ao Instituto Iabas, o relatório levanta a questão de irregularidades sobre a construção dos hospitais de campanha para o combate da pandemia de coronavírus. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), há suposta existência de orçamentos fraudados para serviços de montagem e desmontagem de tendas, instalação de caixas d’água, geradores de energia e piso para a formação da estrutura dos hospitais de campanha.

Witzel teria o comando da estrutura que deu suporte às fraudes. O documento afirma que o Instituto Iabas deveria construir mais de 1.400 leitos em hospitais de campanha e que, somente após fatos repercutidos na imprensa, Witzel decretou a intervenção nos hospitais sob gestão do Iabas. Consta no relatório que “mesmo tendo havido o descumprimento na execução do contrato, amplamente veiculada, e que culminou com a mencionada intervenção, foram apurados pagamentos realizados pelo Governo do Estado ao Instituto Iabas da ordem de R$ 256,5 milhões”.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Eduardo Miranda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.