STJ FEDERALIZAÇÃO DE CASO MARIELLE E ANDERSON

A família da vereadora defendia que as investigações seguissem no Rio de Janeiro, contrariando a PGR.

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) formou maioria, na noite desta quarta-feira (27) contra a federalização das investigações sobre a morte da vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes. A decisão foi unânime – 8×0.

“VITÓRIA! Por 5×0 no STJ a federalização do caso Marielle e Anderson já está NEGADA! Foram mais de 150 mil pessoas e mais de 200 organizações da sociedade civil assinando contra a federalização, e inundamos as redes com a hashtag #FederalizaçãoNão Não temos como agradecer o apoio!”, publicou o Instituto Marielle Franco, logo que saiu o 5º voto.

“Um passo muito importante, mas sabemos que a luta por justiça por Marielle e Anderson ainda é longa. Precisamos continuar cobrando por respostas!”, disse ainda a entidade.

Monica Benício, viúva de Marielle, também celebrou a decisão. “STJ BARROU A FEDERALIZAÇÃO DO CASO MARIELLE E ANDERSON! Com o apoio de +150 mil pessoas, conseguirmos hj uma VITÓRIA sobre a possibilidade de retrocesso. Não descansemos, sigamos com ainda mais afinco buscando”, tuitou.

família da vereadora diversos coletivos do movimento negro eram contrários à federalização, defendida pela Procuradoria-Geral da República, por conta de possível influência do presidente Jair Bolsonaro nas investigações.

Anielle Franco, irmã da vereadora, comentou que os dois homens apontados como executores do crime, Ronnie Lessa e Élcio Queiroz, eram favoráveis à mudança do foro das investigações. “Sabem quem é a favor da federalização do caso Marielle e Anderson? Ronnie Lessa e Élcio Queiroz, apontados como executores do crime. Mais um motivo para não federalizar e manter as investigações no RJ”, tuitou.

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) também celebrou a decisão. “Vencemos a batalha no STJ! Já temos maioria e a federalização das investigações foi rejeitada. Decisão que respeita a Constituição e a família de Marielle e Anderson. Seguiremos lutando por Justiça!”, tuitou.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.