POSEIDON DA FALTA D'ÁGUA DIANTE DO “MAIOR RIO DO MUNDO”

E mais uma noite se passou em que casais não dormiram juntinhos… E já vai mais uma manhã que crianças não vão à escola… E no ônibus, depois da longa espera, alguém se afastou… Tudo por causa da falta d’água no bairro Novo Aleixo, zona Leste de Manaus. Já vão duas semanas que noticiamos aqui a falta d’água. Além de a água vir por curtos períodos pela manhã e à tarde, vem escassamente, sem força suficiente para subir às caixas dos moradores que as têm. Mas esta é uma longa história…

Há três anos atrás, em 2005, um grupo de estudantes e comunitários da zona Leste de Manaus realizou um levantamento sobre o problema da falta d’água em Manaus, grande parte das informações foi fornecida pelo então vereador Praciano, hoje deputado federal, que, inclusive, fez a sugestão do título do debate. Este bloguinho reproduz aqui o texto do folheto distribuído aos participantes.

POR QUE NÃO TEMOS ÁGUA?

Nos idos não muito distantes, a distribuição de água em Manaus era feita na forma estatal pela COSAMA. Para demonstrar a ineficiência e falta de qualidade do serviço basta lembrar que a antiga Companhia recebeu o apelido de COLAMA.

No final da década passada, os governantes confirmaram a incapacidade ou falta de vontade de tentar solucionar os problemas do abastecimento de água na cidade de Manaus e, no início de 2000, a COSAMA foi a primeira empresa estatal de serviço a ser privatizada no Brasil; a compra da “concessão” deu-se pelo grupo SUEZ, grupo francês muito poderoso internacionalmente, que passou a usar aqui o nome de ÁGUAS DO AMAZONAS.

A venda teve alguns pontos estranhos:

—> o valor do patrimônio da COSAMA foi fixado pelo Governo do Estado em R$ 480 milhões;

—> misteriosamente o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDS) fixou como preço mínimo do leilão R$ 173 milhões;

—> depois da venda ser embargada duas vezes pelo vereador Praciano, por entender que o preço era muito baixo, o grupo SUEZ acabou arrematando o leilão por R$ 193 milhões.

A concessão diz respeito à prestação de serviços pelas ÀGUAS DO AMAZONAS durante 30 anos, e a empresa apresentou como principais pontos do “Plano de Metas” até 2006:

—> 96% da cobertura de água na cidade;

—> 99,9% da qualidade da água;

—> 31% da cobertura da rede de esgoto, com tratamento.

O que foi cumprido disso até agora, quase ao término do estabelecido? Nada. O que resulta disso para a população?

—> inúmeras partes da cidade não têm canalizações de forma nenhuma. Em outras partes funcionam precariamente, dando água 2 ou 3 vezes por semana durante um período muito curto de tempo;

—> os problemas de saúde são os mais diversos, desde os causados pela acidez da água, os verminoses encontrados nela até coliformes fecais;

—> quanto ao esgoto, pelo que consta, não foi construído metro algum, o que corrobora com a poluição dos igarapés, o mau cheiro e a proliferação de doenças.

Esse é um resumo da degradação social, do descaso com as comunidades por parte do poder público, dificultando a criação da cidadania na cidade de Manaus. No nosso entender, um tema que precisa ser discutido e ampliado, para as vozes das comunidades serem ouvidas e praticadas.

O problema da falta d’água em Manaus, apesar da cidade ser banhada pelo maior rio do mundo, como diria Dilma Roussef, é histórica, foram produzidas e continuadas por todas as gestões dos governos que por aqui passaram tanto antes da ditadura quanto depois da ditadura, e está ligada a outros problemas de infraestrutura, como a falta de planejamento urbano e saneamento básico de forma geral. Uma das principais bandeiras de campanha do atual prefeito, Serafim Corrêa (PSB) era resolver o problema da falta d’água das zonas Norte e Leste. Em 2006, a ÁGUAS DO AMAZONAS não havia cumprido praticamente nenhum dos principais pontos do “Plano de Metas”, e até então nenhuma sanção ou exigência foi realizada pela Prefeitura de Manaus, mediante as cláusulas do contrato. Ao contrário, foi feito o repactuamento com a ÁGUAS DO AMAZONAS. Como essa gestão de Serafim está no fim, parece que a antiga bandeira foi tão somente transformada em out-door.

3 thoughts on “POSEIDON DA FALTA D'ÁGUA DIANTE DO “MAIOR RIO DO MUNDO”

  1. Que vergonha, Praciano ja denunciava isso a mais de quatro anos e tudo continua a mesma coisa !! que vergonha, enquanto na europa tomam agua da torneira em manaus, nos rezamos pra cair um pingo dagua…

  2. olha sodcnvfvnbjkcjbnf gjfgjifhdnhçsjild gjfighfksjigj gfkshgkngdhsh hfg iofjsçghfiogdi gidjgpijg sp jfkghsg djhpçgjitjgktuti iohoghsjfgkujg tigkbfhbksh jhituhs

  3. Aí, Anônimo,
    seu discurso, lingüisticamente, não carrega significação; no entanto, enquanto enunciado, é ambíguo, é inclassificável, incapturável, opera em uma outra língua, fala pelas entrelinhas…
    Valeu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.