ATO POLÍTICO DO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL JUSTIÇA E DEMOCRACIA ACONTECE NESTE SÁBADO (29)

EVENTO VIRTUAL

“Por uma Revolução Democrática na Justiça” convida personalidades nacionais e internacionais

Redação
Brasil de Fato | Porto Alegre (RS) |

 

“Por uma Revolução Democrática na Justiça” será o nome do ato político do Fórum Social Mundial Justiça e Democracia (FSMJD), que acontecerá neste sábado (29) – Foto: Cimi

O ato político do Fórum Social Mundial Justiça e Democracia (FSMJD) vai acontecer neste sábado (29), das 10h às 13h, no canal do FSMJD e no Facebook do BdF RS.

Em formato virtual, o ato “Por uma Revolução Democrática na Justiça” vem para demarcar a ação do Fórum que adiou seu encontro presencial em respeito ao momento sanitário que vive a região e o país.

Participarão pessoas do cenário nacional e internacional para debater temas relacionados à democracia, justiça, política e Estado. Confira, logo abaixo, a lista dos nomes. Segundo a organização, a proposta é trazer o público para repensar os sistemas de justiça e as instituições nelas envolvidas.

Reforça também que o FSMJD acontecerá presencialmente de 26 a 30 de abril de 2022, em Porto Alegre, e que pretende ser o encontro de um movimento de resistência das forças sociais progressistas frente aos constantes ataques ao Estado Democrático de Direito que assolam o Brasil, a América Latina, e outras partes do mundo.

Leia mais: Fórum Social Mundial Justiça e Democracia e Fórum Social das Resistências 2022 são adiados

Ao todo, o FSMJD está organizado em torno de cinco grandes eixos: “Democracia e as Forças Sociais”, “Capitalismo e desigualdades”, “Direitos de grupos Vulnerabilizados”, “Comunicação e Tecnologias” e “Cultura”, contando com a participação de 191 entidades. Mais informações diretamente no site do FSMJD.

Convidados do Ato Virtual

Apresentando o FSMJD estará Maria Betânia, Procuradora de Justiça aposentada do Ministério Público de Pernambuco e integrante do Comitê Facilitador do FSMJD. Na mediação, Vanessa Patriota da Fonseca (integrante do Comitê Facilitador do FSMJD).

Convidadas e convidados:

Boaventura de Sousa Santos é Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e Diretor Emérito do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

Jones Manoel da Silva é historiador, marxista, comunicador, professor de história, escritor e militante do Partido Comunista Brasileiro, conhecido pelo seu canal no YouTube.

Vilma Reis é socióloga, mestra em Ciências Sociais, doutoranda em Estudos Étnicos Africanos no PosAfro-FFCH-UFBA, feminista, defensora de Direitos Humanos, Ativista do Movimento de Mulheres Negras, Abolicionista Penal, Co-fundadora da Coletiva Mahin Organização de Mulheres Negras para os Direitos Humanos, e, através da Coletiva Mahin constrói a Coalizão Negra por Direitos.

Joziléia Kaingang faz parte da Articulação Nacional das Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade (Anmiga) e é uma das fundadoras da Articulação Brasileira dos Indígenas Antropologes (Abia) e do Comitê de Assuntos Indígenas da ABA.

Luís Nassif é jornalista. Foi colunista e membro do conselho editorial da Folha de S. Paulo.

João Cézar de Castro Rocha é professor titular da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Autor de 13 livros e organizador de 30 títulos. Lançou em 2021 “Guerra cultural e retórica do ódio”.

Jules Falquet é professora do Departamento de Filosofia da Universidade Paris 8, desde 2003. Atualmente o foco de suas pesquisas consiste em analisar a reorganização do trabalho e a resistência coletiva à globalização neoliberal de diferentes movimentos sociais do continente americano.

Guilherme Boulos é professor, bacharel em filosofia, psicanalista, ativista, político e escritor brasileiro. Filiado ao Partido Socialismo e Liberdade, Boulos é membro da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto.

Tarso Genro é advogado, autor de livros de direito e teoria política, ex-presidente do PT, foi ministro da Justiça, de Relações Internacionais e da Educação do Brasil, ex-governador do RS, membro da Academia Brasileira de Direito do Trabalho e do Instituto dos Advogados Brasileiros.

José Geraldo de Souza Jr. é professor titular e ex-reitor da Universidade de Brasília, coordenador do projeto Direito Achado na Rua.ossos leitores, pois compreendemos que a democratização dos meios de comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa.

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Katia Marko

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.