CPI DA COVID RETOMA TRABALHOS PARA ESCLARECER CORRUPÇÃO NA COMPRA DE VACINAS

INVESTIGAÇÃO

CPI volta com depoimento do reverendo Amilton, autorizado pelo governo a negociar 400 milhões de doses de vacina

|

 

Da esquerda à direita: relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), o presidente Omar Aziz (PSD-AM) e o vice-presidente Randolfe Rodrigues (Rede-AP) – Leopoldo Silva/Agência Senado

Com foco nas investigações sobre denúncias de possíveis irregularidades e propinas na aquisição de vacinas contra a covid-19, a CPI da Covid retoma os trabalhos nesta semana com previsão dos depoimentos do reverendo Amilton Gomes de Paula, do sócio da Precisa Medicamentos, Francisco Maximiano, e de Túlio Silveira, representante da empresa.

O cronograma para a volta do recesso foi definido pela cúpula da CPI da Covid. O primeiro a ser ouvido será o reverendo Amilton, nesta terça-feira (3). Ele é apontado por representantes da Davati Medical Supply como um “intermediador” entre o governo federal e empresas que ofertavam vacinas.


Amilton Gomes de Paula preside a Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários, entidade que negociou vacinas no Executivo / Reprodução/Facebook/Senah

::CPI da Covid analisa quase 2.000 documentos; saiba quais têm maior potencial explosivo::

O reverendo, que é presidente de uma ONG, a Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (Senah), recebeu em fevereiro autorização do Ministério da Saúde para negociar 400 milhões de doses de vacinas contra a covid-19.

Já na quarta-feira (4), a expectativa da CPI da Covid é ouvir Francisco Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos, e responsável por negociar as vacinas Covaxin, produzida pelo laboratório indiano Barath Biotech. A defesa de Maximiano acionou o Supremo Tribunal Federal para pedir que o empresário seja autorizado a faltar ao depoimento na CPI. Segundo os advogados, ele viajou para a Índia. Vice-presidente da comissão, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que pedirá a prisão preventiva dele caso não retorne da Índia para prestar depoimento. 


CPI investiga denúncias de possíveis irregularidades e propinas na aquisição de vacinas da AstraZeneca/ Breno Esaki / Agência Saúde-DF

“Nós recebemos a notícia que o senhor Francisco Maximiano se evadiu para a Índia e pretende não ser ouvido pela CPI na quarta-feira. Eu quero recomendar ao senhor Francisco Maximiano: volte e compareça à CPI de imediato no dia que seu depoimento está marcado. Evadir-se do país quando tem uma investigação em curso é crime. E nós não titubearemos em pedir a sua prisão preventiva”, disse Randolfe.

Na sequência, a CPI pretende ouvir Túlio Silveira, advogado da Precisa. O depoimento está previsto para quinta-feira (5). O colegiado também votará requerimentos na terça-feira (3) com pedidos de convocações, quebras de sigilos, informações e audiências públicas que devem orientar a atuação do colegiado até o dia 5 de novembro — prazo final prorrogado da comissão de inquérito. Segundo Randolfe, a cúpula da CPI pedirá o bloqueio de bens de duas empresas de Francisco Maximiano: a Precisa Medicamentos e a Global.

::Ministério da Saúde não questionou calote da Precisa durante negociações::

Durante o recesso

Mesmo sem depoimentos durante o recesso, a CPI não parou. Senadores aproveitaram o tempo para analisar junto com suas equipes os documentos recebidos pelo colegiado.

“Neste tempo, nossas equipes ficaram analisando documentos, cruzando sigilos fiscais, sigilos bancários e recebendo outros documentos que são objeto das nossas investigações”, apontou o senador. As informações serão utilizadas durante as oitivas para questionar os depoentes e ajudarão na elaboração do relatório final.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.