COVID: SEGUNDA ONDA DE CONTAMINAÇÃO BATE RECORDES NA EUROPA E É ALERTA PARA O BRASIL

(FILES) This file photo taken on October 9, 2020 in Lyon shows an inside view of a cafe after the city was placed on maximum coronavirus alert. - Paris and other French cities brace for their last night out before the start of a stringent anti-virus curfew that takes effect in the early hours of October 17, 2020. (Photo by JEFF PACHOUD / AFP)

CORONAVÍRUS AVANÇA

Após verão com medidas de distanciamento mais relaxadas, países do continente voltaram a registrar alta de casos

Nara Lacerda

Ouça o áudio:

00:00
14:19

Download

Bares fechados na França em cumprimento ao retorno das medidas restritivas. – Jeff Pachoud / AFP

Indícios fortes de que as ações de isolamento são importantíssimas são marcas da segunda onda

Na semana que passou, a retomada do crescimento de casos da covid-19 na Europa confirmou a percepção de que os países do continente vivem uma nova crise por causa da doença. Um número grande de nações registra recordes históricos de infeções por dia, depois de um período de relaxamento das medidas de distanciamento durante o verão europeu. O cenário é um alerta para o mundo, inclusive o Brasil, sobre a necessidade de manutenção de medidas de distanciamento.

Na terça-feira (13), a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou que foram confirmados mais de 700 mil novos contaminados ao longo da semana que se encerrou em no último dia 10. O patamar corresponde a um aumento de 34% na comparação com o período anterior. A alta no número de óbitos foi de 16%. O crescimento de mortes não acompanha a alta de casos na mesma medida observada no início do ano. Mas a OMS alerta que as consequências ainda podem estar por vir.

A alta de casos pode estar relacionada a maior testagem, mas o volume de novos contaminados não pode ser explicado somente por esse fator. Uma parte considerável dos pacientes é composta por jovens, justamente os que mais foram às ruas para atividades que vão do trabalho ao lazer. Os índices menores de mortes também podem estar ligados ao fato de que pacientes em idades menos avançadas costumam ter a forma leve da covid-19.

Em participação no podcast A Covid-19 na Semana, o médico de família Aristóteles Cardona, da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, afirma que ainda é cedo para conclusões dessa natureza. A única certeza até o momento, é que o isolamento social tem papel fundamental no controle da propagação.

“Normalmente, após duas ou três semanas é que a gente vê uma consequência maior. Obviamente vai depender muito dessas medidas que estão sendo tomadas na Europa neste momento.”

Leia também: Eleições e saúde: pandemia muda percepção sobre SUS e desafia candidatos anticiência

Restrições

Ainda na terça-feira (13), o Conselho da União Europeia (UE) divulgou uma série de recomendações de restrição de viagens para países do bloco. O acordo prevê que as autorizações deslocamento entre os países que compõem a UE serão baseadas na situação epidemiológica da covid em cada região. Para isso, os governos aceitaram oferecer informações semanais com detalhes sobre incidência e propagação.

Ao longo da semana, as nações divulgaram medidas regionais. Na França, foi imposto toque de recolher de um mês para Paris e todas as grandes cidades. Nesses locais, os bares e restaurantes estão fechados e qualquer tipo de reunião social só pode contar com um máximo de 10 pessoas. O uso de máscaras em locais fechados é obrigatório em todo o território francês.

No Reino Unido, o governo decidiu reabrir três hospitais de campanha da Inglaterra. Em Londres e em outras cidades, estão proibidos encontros sociais com mais de 6 pessoas, inclusive em ambientes abertos. O horário do comércio está limitado e os tradicionais Pubs só podem atender clientes sentados, também como restrição de horário. As igrejas também precisarão controlar o número de participantes dos cultos, missas e rituais. 

Portugal decretou estado de calamidade na quarta-feira (14) e o governo quer lançar um aplicativo para rastrear os contatos de contaminados. O país registrou mais de 2 mil casos em 24 horas nesta semana, recorde para a região. As lojas só podem receber dez clientes ao mesmo tempo e as máscaras são item obrigatório. Nenhuma aglomeração com mais de cinco pessoas é permitida nos restaurantes e nas ruas. Eventos pessoais e familiares estão limitados a 50 pessoas.

Relembre: MPF vai à Justiça contra críticas de Bolsonaro ao isolamento social

A Alemanha também registou números recordes, com mais de 7,3 mil novos casos somente na sexta-feira (16). Nas cidades mais afetadas, o governo proibiu aglomerações até o fim do ano. Quem chega de países com alto risco de contaminação precisa ficar isolado por duas semanas. A multa para quem estiver sem máscara em via pública é de 50 euros. 

A Itália tem novas restrições em vigor desde a quarta-feira (14). Festas de qualquer natureza, inclusive ao ar livre, estão proibidas. Há restrição no horário de funcionamento de bares e restaurantes. O país, que viveu situação de caos no primeiro semestre por causa do coronavírus, registrou mais de 10 mil casos na sexta-feira (16), patamar que não foi observado nem nos piores momentos do surto.

Na Espanha, a capital Madri está em confinamento parcial desde a semana passada. Os bares e restaurantes da Catalunha só podem trabalhar com entregas e retiradas pelas próximas duas semanas. Lojas, shoppings e academias precisam respeitar limitação de público. O país também tem registrado recordes de novos casos diários nas últimas semanas.

Saiba mais: Vídeo | China continua sem registrar mortes por covid-19

Exemplo para o Brasil

O relaxamento no isolamento e nas restrições à circulação e viagens é o único fator comum entre essas nações. São países com governo de ideologias diferentes, sistemas de saúde diversos e hábitos culturais e sociais muitas vezes quase opostos. “Mais uma vez, são indícios fortes de que as medidas de distanciamento e isolamento são importantíssimas”, afirma Arístoteles Cardona. O médico completa, “Essa experiência deve nos servir como exemplo. A gente deve passar por algo parecido nas próximas semanas”.

Para o médico, o Brasil ainda tem mais uma desvantagem em relação aos países europeus, “Aqui não aconteceu uma queda brusca de casos e mortes como a gente viu na Europa. O governo federal foi muito pouco responsável com relação a isso. Apesar do governo, a população tomou os cuidados necessários. Mas com o passar do tempo a gente viu um relaxamento. Essa situação da Europa deve servir como um um grande alerta para o que gente pode ter que enfrentar.”

Edição: Rodrigo Chagas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.