DIA 31.03.1964: QUEM CHEGAR AO PODER NÃO VAI MAIS SAIR, AFIRMA BOLSONARO

PRODUÇÃO AFINSOPHIA.ORG

Jair Messias Bolsonaro saiu do Palácio do Planalto, ontem, domingo, não pra transmitir a peste, mas para ver o povo, tal sua preocupação.

Passeou pela Ceilândia e Taguatinga duas importantes cidades satélites do Distrito Industrial.

Encontrou com o seus.

E aproveitou para expor suas ideias de que é necessário salvar a economia e depois tratar do povo. O Brasil não pode parar. 

Como presidente da República em vez de orientar o povo se tornou no principal propagador do medo e do pânico:

– o povo não tem mais comida; o pai, a mãe em casa sem poder trabalhar, como vai levar comida para seus filhos?

– Que nem um canalha publique que eu fui passear.

Hoje, de manhã foi ao cercadinho. Seus seguidores lá estavam, não eram muitos. Disse que muitos vão morrer. que as pessoas estão sem comida; que o caos, a fome e a miséria não recebe conselho de ninguém.

Manteve e depois se aproximou dos microfones das TVs que ficam no cercadinho e continuou na narrativa catastrófica. 

Não responderia perguntas mesmo assim provocado sobre a fome ecolaliou: tu já passou fome na vida?

Uma seguidora gritou: – Comunistas!!!

Ignorou o nome do Ministro da Saúde, Luis Henrique Mandetta.

Não temos o caos ainda. Mais há medo. Podemos chegar ao pânico.

Pior se do insight que ele teve nos venha um decreto e a continuação do golpe de Estado iniciado com a deposição da presidente Dilma Vanna Rousseff, porque quem chegar ao poder no dia 31.03.1964 não vai mais querer sair, disse o Presidente da República Federativa do Brasil.

Com esta última verborragia presidencial, Bolsonaro não cometeu um ato falho, ele deu a senha que nos levará ao futuro, futuro que não sabemos como será, porque os sinos estão a dobrar nas principais catedrais do mundo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.