PEPE ESCOBAR: O “EIXO DA RESISTÊNCIA” DO SAHEL

0

1 de abril de 2024 –

O “Eixo da Resistência” do Sahel

por Pepe Escobar

A emergência de Eixos de Resistência em várias geografias é um subproduto inextricável do longo e tortuoso processo que nos conduz a um mundo multipolar. Estas duas coisas – a resistência à Hegemon e a emergência da multipolaridade – são absolutamente complementares.

O Eixo da Resistência na Ásia Ocidental – através dos estados árabes e muçulmanos – encontra agora como alma-irmã o Eixo da Resistência que abrange o Sahel na África, de oeste a leste, do Senegal, Mali, Burkina Faso e Níger ao Chade, Sudão e Eritreia.

Ao contrário do Níger, onde a mudança de poder contra o neocolonialismo foi associada a um golpe militar, no Senegal a mudança de poder vem diretamente das urnas.

O Senegal mergulhou numa nova era com a vitória esmagadora de Bassirou Diomaye Faye, 44 anos, nas eleições nacionais de 24 de Março. Ex-inspetor fiscal que acabara de passar duas semanas na prisão, Faye emergiu com o perfil de um líder pan-africano oprimido para virar de cabeça para baixo a “democracia mais estável de África”, sob o comando do titular fantoche francês Macky Sall.

O novo presidente senegalês junta-se agora a Ibrahim Traore, 36, no Burkina Faso, Aby Ahmed, 46, na Etiópia, Andry Rajoelina, 48, em Madagáscar, bem como ao futuro astro Julius Malema, 44, na África do Sul, como parte do novo, geração jovem pan-africana centrada na soberania. No seu manifesto eleitoral, Faye comprometeu-se a recuperar a soberania do Senegal pelo menos dezoito vezes.

A geoeconomia é fundamental para essas mudanças. À medida que o Senegal se torna um produtor substancial de petróleo e gás, Faye terá como objectivo renegociar contratos de mineração e energia, incluindo os maiores com a British Petroleum (BP) e a operadora de minas de ouro do Reino Unido, Endeavor Mining.

Crucialmente, ele planeja abandonar o explorador franco CFA – o sistema monetário controlado pela França, utilizado em 14 estados africanos – e até criar uma nova moeda como parte da remodelação das relações com a potência neocolonial França, o principal parceiro comercial do Senegal. Faye, ecoando o camarada Xi Jinping, quer uma parceria “ganha-ganha”.

Entre na Aliança dos Estados do Sahel

Faye ainda não deixou claro se pretende expulsar os militares franceses do Senegal. Se isso acontecesse, o golpe para Paris seria sem precedentes, já que o em apuros Petit Roi Emmanuel Macron e o establishment francês consideram o Senegal o ator-chave quando se trata de bloquear o Níger, o Mali e o Burkina Faso, que já deixaram Paris no ( Sahel) poeira.

Os três últimos estados, que acabaram de formar uma Aliança dos Estados do Sahel (Alliance des Etats du Sahel, AES, no original francês), não são apenas um grande pesadelo parisiense após humilhações em série, mas também uma grande dor de cabeça americana – resumida na colapso espetacular da cooperação militar entre Washington e a capital do Níger, Niamey.

O culpado, de acordo com o Estado Profundo dos EUA, é, obviamente, o presidente russo, Vladimir Putin.

Obviamente, ninguém na Beltway dos EUA tem prestado a devida atenção à agitação diplomática Rússia-África desde o ano passado, envolvendo todos os principais intervenientes, desde o Sahel até aos novos membros africanos dos BRICS, o Egito e a Etiópia.

Em nítido contraste com a sua anterior consideração do Níger como um forte aliado no Sahel, Washington é agora forçado a apresentar uma data de calendário para retirar as suas tropas do Níger – depois de um acordo de cooperação militar ter sido anulado. O Pentágono não pode mais estar envolvido em treino militar em território nigerino.

Existem duas bases principais – em Agadez e Niamey – nas quais o Pentágono gastou mais de 150 milhões de dólares para construir. Niamey foi concluída apenas em 2019 e é gerida pelo Comando Africano dos militares dos EUA, AFRICOM.

Os objetivos operacionais estão, previsivelmente, envoltos em mistério. A base de Niamey é essencialmente um centro de inteligência, processando dados coletados por drones MQ-9 Reaper. A Força Aérea dos EUA também utiliza o Aeródromo Dirkou como base para operações no Sahel.

Agora as coisas tornam-se realmente emocionantes, porque a presença de uma base de fato de drones da CIA em Dirkou, tripulada por um punhado de agentes, nem sequer é reconhecida. Esta base escura permite a recolha de informações em toda a África Central, de oeste a norte. Chame-o de outro exemplo clássico de “We Lie, We Cheat, We Steal” do ex-diretor da CIA Mike Pompeo.

Há cerca de 1.000 soldados dos EUA no Níger que poderão em breve enfrentar a expulsão. Os americanos estão tentando de tudo para estancar o sangramento. Só este mês, a Subsecretária de Estado dos EUA para África, Molly Phee, visitou o Níger duas vezes. A perda de bases no Níger traduzir-se-á em Washington seguir o exemplo de Paris na perda do controle do Sahel – à medida que o Níger se aproxima da Rússia e do Irã.

Estas bases não são essenciais para exercer vigilância sobre Bab al-Mandeb; é tudo sobre o Sahel, com drones operando no seu limite e violando todos os espaços aéreos soberanos à vista.

Aliás, uma robusta delegação de Niamey visitou Moscovo em Janeiro. Depois, na semana passada, Putin discutiu a cooperação em segurança em telefonemas com o Presidente interino do Mali, Assimi Goita, e o Presidente da junta militar do Níger, Abdourahmane Tchiani, antes de falar com o Presidente da República do Congo, Denis Nguesso.

Costa do Marfim: a reviravolta do Império

Os regimes fantoches pró-Ocidente estão a diminuir rapidamente em todo o continente africano. A Aliança dos Estados do Sahel – Mali, Burkina Faso e Níger – pode ser a vanguarda de um Eixo Africano de Resistência, mas há mais, na forma da África do Sul, da Etiópia e do Egito como membros plenos do BRICS – para não falar de sérios candidatos à próxima vaga do BRICS+, como a Argélia e a Nigéria.

A Rússia, diplomaticamente, e a China, comercialmente, mais todo o peso da parceria estratégica Rússia-China, estão claramente focadas no longo prazo – contando com África como um todo como um ator multipolar chave. Evidências adicionais foram fornecidas mais uma vez durante a conferência multipolar do mês passado em Moscou, onde o carismático líder pan-africano Kemi Seba do Benim foi uma das estrelas.

Os círculos diplomáticos pan-eurasiáticos permitem-se até fazer piadas sobre os recentes acessos de raiva do Le Petit Roi em Paris. A humilhação total da França no Sahel é provavelmente um dos impulsionadores das ameaças violentas de Macron de enviar tropas francesas para a Ucrânia – que seriam transformadas em bife tártaro pelos russos em tempo recorde – e da sua vontade de apoiar as atuais acrobacias russofóbicas da Armênia. .

Historicamente, permanece o fato de que os africanos consideravam a antiga URSS muito mais maleável e até solidária quando se tratava de desviar recursos naturais; esse goodwill foi agora também transferido para a China.

Enquanto plataforma de integração regional, a Aliança dos Estados do Sahel tem tudo o que é necessário para se tornar uma mudança de jogo. O Senegal sob o comando de Faye poderá eventualmente aderir, mas a Guiné já oferece a capacidade geográfica para fornecer à aliança um acesso marítimo credível. Isso levará à extinção progressiva da CEDEAO, controlada pelo Ocidente e sediada na Nigéria.

No entanto, nunca descarte os poderosos tentáculos do Hegemon. O plano diretor do Pentágono não implica o abandono de África numa esfera de influência multipolar Rússia-China-Irã. No entanto, já ninguém no Eixo de Resistência do Sahel acredita na “ameaça terrorista” dos EUA. O terror era praticamente zero em África até 2011, quando a NATO transformou a Líbia num terreno baldio, depois colocou forças no terreno e ergueu bases militares em todo o continente.

Até agora, a Aliança dos Estados do Sahel está a vencer a guerra de informação que coloca a soberania em primeiro lugar. Mas não há dúvida de que o Império irá contra-atacar. Afinal de contas, todo o jogo está ligado à suprema paranóia da Beltway de que a Rússia assuma o controlo do Sahel e da África Central.

Entre na Costa do Marfim, agora que o Senegal pode estar prestes a começar a flertar com a Aliança dos Estados do Sahel.

A Costa do Marfim é mais estratégica para Washington do que, por exemplo, o Chade porque o território marfinense está muito próximo da aliança do Sahel. Ainda assim, o Chade já recalibrou a sua política externa, que já não é controlada pelo Ocidente e vem com uma nova ênfase na aproximação a Moscou.

O que está por vir para o Império? Talvez os drones “antiterroristas” dos EUA tenham sido partilhados com Paris na base francesa na Costa do Marfim para manter a aliança do Sahel sob controlo. Chame-o de galo gaulês humilhado abraçando o Hegemon na África Ocidental sem receber nem mesmo as migalhas de um croissant velho.

Pepe Escobar – Analista geopolítico independente, escritor e jornalista

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.