A FÚRIA DA CORRUPÇÃO CONTRA O DINHEIRO: BOLSONARO GASTOU R$ 116 MIL COM HOTEL E RESTAURANTE EM VISITA DE 1 DIA EM MT

0

A DIMENSÃO DA FARRA

Breve passagem por Sinop e Sorriso, falando com público do agro e incentivando contaminação pela Covid, custou fortuna inexplicável paga com cartão corporativo

Créditos: SECOM/MT

Por Henrique Rodrigues

POLÍTICA – 26/1/2023 · 

Na esteira da divulgação dos gastos astronômicos realizados com o cartão corporativo da Presidência da República durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), a reportagem da Fórum teve acesso às despesas da equipe do ex-ocupante do Palácio do Planalto durante uma visita de menos de um dia que ele fez ao estado do Mato Grosso, em 18 de setembro de 2020, no ápice da primeira onda da pandemia da Covid-19. A passagem de Bolsonaro se deu pelos municípios de Sinop e Sorriso.

Aquele dia, diante de representantes do agronegócio em dois eventos separados, Bolsonaro deu uma de suas declarações mais infames, ao chamar os brasileiros que temiam o vírus mortal de “fracos”, incentivando a contaminação pelo Sars-Cov-2, causador da Síndrome Respiratória Aguada Grave. Sua presença na unidade federativa duraria não mais que uns pares de horas.

“Vocês não pararam durante a pandemia. Vocês não entraram naquela conversinha mole de ‘fique em casa, que a economia a gente vê depois’. Isso é para os fracos. O vírus, eu sempre disse, era uma realidade, e tínhamos que enfrentá-lo. Nada de se acovardar perante aquilo que nós não podemos fugir dele”, disse o extremista que ocupava a Presidência ao publico ruralista.

Bolsonaro chegou pela manhã a Sinop e seu avião precisou arremeter por conta da fumaça causada pelas queimadas na região. Àquela altura, com mais da metade do seu segundo ano de mandato já cumprida, quando o Inpe informava um aumento brutal de 34,5% das áreas desmatadas e queimadas no Brasil, o então presidente disse no encontro que o país era “um exemplo para o mundo na preservação ambiental”. Seu secretário Nacional de Assuntos Fundiários, Nabhan Garcia, ainda chamou o ditador Emílio Garrastazu Médici de “saudoso”, arrematando com a afirmação surreal de que “a Amazônia é do Brasil e dos produtores rurais”.

O habitual show de horrores nas declarações durou pouco, assim como as saudações esfuziantes do setor que durante quatro anos deu amparo econômico às estrepolias do extremista, já que a viagem era curtíssima. Mas um detalhe chama a atenção nas notas fiscais emitidas por conta dos gastos de seus assessores e guarda-costas.

Os dados obtidos pela Fórum não mostram qualquer fato ou ato ilegal por parte das empresas que aparecem nas notas, já que até então elas surgem apenas como prestadoras de serviço. O que chama a atenção é o uso descabido e sem qualquer zelo com o dinheiro público por parte dos agentes governamentais.

Só com hospedagem e alimentação na breve passagem por Sinop e Sorriso, mais de R$ 116 mil foram gastos. A torrefação de dinheiro público tem início com pagamentos que, juntos, somam R$ 46.600, entre 17 e 18 de setembro, em diárias do Imperial Palace Hotel, de Sorriso, cuja diária atualmente custa R$ 280. Mas os gastos não param por aí e houve uma estadia ainda mais cara.

No Ucayali Hotel, em Sinop, o cartão corporativo da Presidência da República fez um pagamento de R$ 51.912 no mesmo dia da visita de Bolsonaro, 18 de setembro. Considerado luxuoso para o padrão da região, passar um dia no Ucayali, hoje, sai por R$ 365. Para finalizar a gastança com hotéis, ocorreu ainda um pagamento a uma unidade da rede Ibis em Sinop, efetuado também dia 18, no valor de R$ 4.183. A diária no conhecido hotel de padrão médio, pela cotação atual, fica em R$ 290.

A saga de gastos inexplicáveis para uma viagem tão curta e na qual a presença de seguranças e assessores seria necessária apenas durante sua realização, ou no máximo no dia anterior, ainda teve as “corriqueiras” faturas gordíssimas com alimentação em restaurantes. O cartão corporativo do governo Bolsonaro bancou, no dia de sua presença no local, uma despesa de R$ 14.120 no Restaurante Comendador Vicente, em Sinop, fechando a conta paga pelos cofres públicos numa visita efêmera do ilustre ídolo político venerado na região.

TEMAS
Jair Bolsonaro
cartão corporativo
Mato Grosso
agronegócio

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.