ITAMARATY CONTRATOU ASSINATURA DO TERÇA LIVRE DE ALLAN DOS SANTOS, MESMO APÓS OPERAÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL

KE NEWS

Blogueiro já era investigado pelo STF por fake news quando teve canal incluído em pacote de assinaturas do governo

Paulo Motoryn
Brasil de Fato | Brasília (DF) |

 

Ouça o áudio:

01:30
02:53

Download

Allan dos Santos e outros seguidores de Olavo de Carvalho tiveram veículos supostamente jornalísticos contratados pelo Itamaraty – Roque de Sá/Agência Senado

O Ministério das Relações Exteriores contratou a assinatura do Terça Livre, do blogueiro Allan dos Santos, mesmo após o dono do canal ter sido alvo de uma operação da Polícia Federal (PF) contra fake news. A compra foi efetivada em novembro de 2020, durante a gestão do ex-chanceler Ernesto Araújo no Itamaraty, no governo do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Em novembro de 2019, mais de um ano antes do pagamento do governo pela assinatura do Terça Livre, Allan dos Santos já havia sido alvo de convocação na CPI das Fake News no Senado. Em janeiro de 2020, foi intimado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a depor sobre notícias falsas. Em junho daquele ano, foi alvo de operação de busca e apreensão da PF.

Atualmente nos Estados Unidos, o blogueiro bolsonarista é considerado foragido desde que foi ordenada sua prisão preventiva no inquérito das fake news, em 2021.

 

Contratação por dispensa de licitação

Para contratar o canal de Allan dos Santos, o Itamaraty pagou R$ 15.309,00 a uma empresa que atua agenciando a assinatura de jornais e revistas para órgãos públicos. Como o valor é inferior ao limite que impõe a necessidade de uma concorrência entre diferentes empresas, as assinaturas foram contratadas por “dispensa de licitação”.

Mesmo diante das investigações contra o blogueiro bolsonarista, a inclusão do Terça Livre e de outros 15 jornais e revistas foi solicitada pelo Departamento de Comunicação do Ministério das Relações Exteriores, de acordo com informações localizadas pelo Brasil de Fato no Portal da Transparência. Clique aqui para acessar.

Entre os veículos contratados, também estão o canal Brasil Sem Medo e a Revista Estudos Nacionais, chefiados por seguidores de Olavo de Carvalho. Ernesto Araújo, que comandava o Itamaraty à época da contratação, também é um discípulo do guru, que morreu no ano passado.

 

Revista Oeste, publicação de extrema direita conhecida por artigos e reportagens críticas à vacinação contra a covid-19, é outra que foi contratada pelo governo federal durante a gestão bolsonarista. Além disso, veículos de grande circulação, como Folha de S.Paulo e Revista Veja, também foram solicitados pelo Itamaraty.


Registro da dispensa de licitação para compra de pacote de assinaturas de jornais e revistas pelo Itamaraty / Reprodução/Portal da Transparência

Governo Lula quer extradição

Logo nos primeiros dias de gestão, o Ministério da Justiça do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) buscou o governo dos Estados Unidos e a Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal) para acelerar o processo de extradição de Allan dos Santos, que está no país desde 2020.  

O governo brasileiro aguarda a inclusão do nome do blogueiro na lista de procurados da Interpol. O pedido foi feito pelo STF no ano passado, mas ainda não foi efetivado. O Brasil também buscou ajuda do governo estadunidense por meio do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Internacional. 

Edição: Vivian Virissimo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.