BRUNO E DOM: PF IDENTIFICOU O MANDANTE DO CRIME E CONFIRMOU O TRAFICANTE COLÔMBIA, IDENTIFICADO PELOS INDÍGENAS

SETE MESES DEPOIS

Investigação aponta Colômbia, empresário da pesca ilegal, como autor intelectual dos crimes e indicia mais um suspeito

Murilo Pajolla
Brasil de Fato | Lábrea (AM) |

Ouça o áudio:

01:05
02:38

Download

Segundo a PF, Colômbia (foto) teria fornecido munição e custeado advogado de um dos executores do crime – Foto: Divulgação

A Polícia Federal (PF) afirmou que as mortes do indigenista Bruno Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips, ocorridas em junho de 2022 no Vale do Javari, foram encomendadas por um conhecido empresário da pesca ilegal na região. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (23) durante entrevista coletiva em Manaus (AM). 

O homem apontado como mentor intelectual do duplo homicídio é Ruben Dario da Silva Villar, chamado de Colômbia. Ele seria o líder de uma organização criminosa especializada em saquear recursos naturais da Terra Indígena Vale do Javari, além de ter envolvimento com o narcotráfico. 

 

Segundo denúncia do MPF, os executores do crime foram Amarildo Oliveira (Pelado), o irmão dele, Oseney de Oliveira (Dos Santos) e Jefferson da Silva Lima (Pelado da Dinha). Faltava, até agora, a identificação do mandante pelas investigações. 

Colômbia forneceu munição a autores do crime, diz PF

O indiciamento de Colômbia, que está preso desde dezembro, será feito após a coleta de mais provas. Pelo fornecimento da arma do crime, foi indiciado um quarto suspeito, Edvaldo da Costa de Oliveira, irmão de Pelado. 

Segundo a PF, Colômbia forneceu munição aos executores do crime. Ele teria ainda fornecido um barco usado para pesca ilegal, custeado honorários a um advogado de Amarildo e feito contato por telefone com os suspeitos. 

 

O procurador jurídico da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), Eliésio Marubo, disse que a indicação do mandante pelas investigações “não desmantela o cenário criminoso”. Segundo ele, é preciso investigar os laços de Colômbias com as prefeituras locais.

“Uma coisa é certa: se não houver uma ampla atuação na região, teremos mais mortes. Pois esses criminosos ainda estão lá”, escreveu Eliésio em mensagem a jornalistas. 

Mesmo preso, Colômbia manteve negócios ilegais  

A participação de Colômbia é apontada pelos indígenas do Vale do Javari desde o desaparecimento de Bruno e Dom, em junho de 2022. Ao Brasil de Fato, lideranças afirmaram que o empresário tinha prejuízo com as operações de monitoramento conduzidas pelo indigenista Bruno Pereira.

Em setembro do ano passado, quando Colômbia estava preso, o Brasil de Fato percorreu o rio Javari, que margeia a Terra Indígena, e flagrou com exclusividade um dos negócios de Colômbia em funcionamento. O estabelecimento, localizado em um flutuante na beira do rio, comercializava peixes pescados ilegalmente.


Em setembro, BdF flagrou negócio de Colômbia em operação no rio Javari  / Murilo Pajolla

 

Outro lado 

A defesa de Colômbia admite que o empresário tem negócios relacionados a pesca com Pelado, mas nega qualquer atividade ilegal. A reportagem não localizou a defesa dos citados pela PF. O espaço segue aberto a manifestações. 

Edição: Rodrigo Durão Coelho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.