PRODUÇÃO AFINSOPHIA.ORG

 

O movimento corporal é uma ação dos animais responsável pela preservação e manutenção de sua saúde. Todo animal ao se movimentar não realiza apenas um ato instintivo, mas compromete a continuidade de sua vida. No ser-humano, o movimento não se resume apenas na preservação e manutenção de sua saúde fisiológica. Ele, também, é estimulador dos corpos responsáveis pelos estímulos volitivos, sensorial, intelectivo, memorial, imaginativo, estético e ético.

 

O movimento no ser-humano tem o componente singular lúdico e se manifesta nos primeiros momentos da criança e apresenta o afeto do prazer. Para a criança, se movimentar é criar a graça do prazer como brincar. É por isso, que o castigo que lhe obriga a ficar imóvel é o pior castigo. Tem para ela, o significado da morte, porque movimenta-se é com os vivos.

 

O primeiro movimento lúdico para a criança é o jogo como exercício-corporal, posto que lhe garante a manutenção de sua saúde e a alegria de atuar como ser vivificante. O jogo, é o esporte que lhe faz saudável. E praticar esporte significa saúde para quem pratica.

 

Porém, a força da semiótica-dogmática do sistema-capitalista-capitalístico transformou o esporte em uma mercadoria. Assim, como também quem o pratica sob a ordem determinante deste sistema. Como ocorre com os chamados atletas profissionais que também foram transformados em mercadorias, pois não poderia ser diferente. 

 

Transformado o esporte em mercadoria, ele passou a ser tido como mais uma forma de entretenimento necessário para a saúde de quem o aprecia, também, como mercadoria, posto que o torcedor é mais uma mercadoria neste mundo mercadológico. Como diz o filósofo Guy Deboard, na sociedade do espetáculo, onde tudo é imagem-mercadoria.

 

 Mas existe uma delirante ironia nesse mundo-esportivo-mercadoria. Enquanto os atletas-mercadorias-esportivos, também conhecidos como cérebros-musculosos, protegem suas saúdes praticando os seus esportes ganhando oceanos de dinheiro, como ocorre com os jogadores de futebol dos clubes mais ricos, aos torcedores é permitido apenas as flutuações de suas emoções com as jogadas e algumas contrações-fisiológicas que não podem ser tidas como exercício-físico preservador da saúde. Mas, são eles, os torcedores-mercadores, que escolheram esse estado de negação de suas saúdes em troca da ilusão do prazer da vitória do clube objeto de seu amor-fálico. 

 

Como se sabe, o esporte-mercadoria não tem qualquer compromisso com o desenvolvimento sensível e intelectual de seus mantenedores, os atletas. Pelo contrário. Quanto mais insensíveis, estúpidos, ambiciosos e alienados forem eles, melhor para seus dirigentes. O que significa que atleta perfeito é aquele muito bem inserido na sociedade de consumo e cultuador de suas mercadorias propulsoras de consciências alienadas.

 

No brasil existem vários exemplos em todas as formas de esportes, principalmente nos chamados esportes de massa. Para o caso em questão, bastam apenas dois exemplos no futebol, esporte-ninho de atletas-estupidificados: Pelé e Neymar. A maioria desses atletas nascem, fazem seus transcursos e morrem da mesma forma que começaram. São todos alienados-políticos e votam sempre contra a DEMOCRACIA.

 

Esse o magistral saque de Isabel Salgado! Uma atleta incontestavelmente sublime! Esportivamente de uma grandeza talentosa superior. Não por acaso teve uma carreira invejável cheia de lances de alegrias e satisfações.Não por acaso foi vencedoras de vários campeonatos nacionais e internacionais. E, não por acaso, é afetiva e cognitivamente uma MULHER-DEVIR que não se deixou sobrecodificar pelo agenciamento de enunciação coletiva que modela os sujeitos-sujeitados para serem patéticos defensores e alimentadores do sistema capitalista/capitalístico predador e devorador de egos como fez com muitas de suas colegas contemporâneas e faz com as atletas do vôlei atual que só se referem à ela como atleta e não como DEVIR-MULHER que luta pela liberação do Desejo aprisionado no buraco-negro do sistema-aberrante modelo-dominante de pulsão de morte. O que percebeu claramente a vanguardista nadadora premiada mundialmente, Joana Maranhão, que a conceitua como um ser-político, num contingente de limitadíssimo atletas conscienciosos.  

 

Isabel Salgado DEVIR-MULHER, entendeu claramente o que é o esporte. O vôlei lhe permitiu se manter saudável e lhe concedeu o salário para manutenção de si e sua família. Mas não teve o poder de impossibilitar seus movimentos devirianos produtores de fluxos mutantes e quantas desterritorializantes responsáveis pela sua essencialidade-política de DEVIR-MULHER. Suas mutações ontológicas lhe permitiram a compreensão dialética metaesportiva: o além do esporte capturado pelo sistema-capitalista onde não há lugar para a Ética-Comunalidade que ela pratica.

 

Altruísta, solidária, engajada na jornada Existencial-Autêntica como Alteridade-Humana, Isabel Salgado, pensa no mundo como possibilidade transmundana da felicidade. Como pensou na felicidade de seus filhos, também solidários, como já foi exemplificado por sua filha Carol, também atleta de vôlei e com profundo sentido do que é a responsabilidade política do Existir. 

 

Isabel, não pode ser lembrada apenas como a Isabel do vôlei, como se refere, principalmente, a mídia-esportiva-alienada-mercadológica. O vôlei foi o esporte que praticou-ludicamente, mas jamais recalcou e impediu que ela, Isabel, cultuasse em si e distribuísse DEMOCRATICAMENTE pelo MOVIMENTO de sua PRÁXIS e POISES seu DEVIR-MULHER produtor da Realidade METAESPORTIVA. Uma AÇÃO que vai além da sufocante destruição do atleta pelo sentido dado ao esporte pelo sistema-dogmático-paranoico-capitalista/capitalístico.  

 

Seu engajamento Existencial lhe colocou como participante da equipe-esportiva de transição do governo de seu amigo, Lula.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.