A GRANDEZA INCONTESTE DE LULA NO JORNAL NACIONAL, REVELA A MENDICIDADE DOS BOLSONARONOICOS

PRODUÇÃO AFINSOPHIA.ORG

 

Lembrete semiótico: Noia, no grego, significa mente. O termo cunhado pelo afinsophia. org, Bolsonaronoicos, significa: os que refletem a mente de Bolsonaro.

 

 O Mundo é uma Objetividade composta por Corpus Heterogêneos enunciantes de suas próprias constituições. São corpus político, histórico, sociológico, econômico, antropológico, religioso, estético, ético, etc, cujas enunciações-sistêmicas atuam como elementos de experimentações de crianças, mulheres e homens adultos que de acordo com suas percepções e concepções particulares formam suas consciências-existenciais. Embora seja uma Objetividade, não é experimentado da mesma forma por dois sujeitos. Cada um tem sua vivência própria, mas a semiótica-social, como práxis-coletiva, se projeta em todos que podem, ou não, internalizá-la.

 

Entretanto, essa Objetividade Heterogênea, como Potência-Democrática, não é assimilada por muitos sujeitos que são modelados como sujeitos-sujeitados pela força antagônica que impede a empatia-social necessária para a alternância de relações em Modus-Coletivos de Sociabilidade. Essa impossibilidade de assimilação é derivada da constituição afetiva e cognitiva destes sujeitos-sujeitados que só respondem aos signos alienados da Potência-Democrática. O niilismo. Destruição de Eros. O Amor como Potência da Vida. Daí, a mendicidade-existencial que o Brasil atual assiste em sua cotidianidade, e quer ser o fator predominante de modus de existência-coletiva.  Ou seja: como normalidade. 

 

Foi esta mendicidade-existencial, que a grandeza de Lula no Jornal Nacional revelou para o Brasil. Revelou que a Potência-Democrática é o Espírito-Político composto por corpus materiais e imateriais coletivos responsáveis pelo movimento-real afetivo e cognitivo da Objetividade do Mundo como composto dos Corpus Heterogêneos intrínsecos à Potência-Democrática. O Desejo como produtor da Felicidade-Coletiva. Não a infelicidade de grupo propagada pelos Bolsonaronoicos: a brutalidade como prática de irracionalidade.

 

Como afirmam, em diálogo, a psicóloga, Nezinha do Cumaru e o filósofo, Zé da Zilda:

Nós não estamos no Mundo para propagar e defender a mendicidade-existencial. Estamos no Mundo, como Seres-Desejantes, para contínua produção de fluxos afetivos e cognitivos que possibilitam a Vivência-Ontológica da Felicidade como Desejo do Ser. 

 

Esta a grandeza de Lula e dos Brasileiros-Democratas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.