PCO DIZ QUE MORAES “É MAIS FASCISTA DO QUE BOLSONARO” E RUI PIMENTA EXALTA DITADURA MILITAR E MONARK

0

ISOLAMENTO

Partido aproxima-se ainda mais da extrema direita e aprofunda ataques ao STF e Alexandre de Moraes com o mesmo discurso de Bolsonaro

Moraes: Bolsonaro e Pimenta no inquérito.
Créditos: STF/Reprodução/Ag.Brasil

Por Mauro Lopes

POLÍTICA – 5/6/2022 · 

O presidente do PCO, Rui Pimenta, exaltou a ditadura militar e o apresentador de extrema direita Monark em live no final da tarde deste sábado (5). Enquanto isso, o jornal do partido, o DCO, estampou como uma de suas manchetes que o ministro do STF Alexandre de Moraes seria “mais fascista do que Bolsonaro”. O grupo está aprofundando os vínculos com a extrema direita no momento em que está sob investigação no inquérito das fake news no Supremo Tribunal Federal.

Na live, o presidente do PCO falou de “bons e velhos tempos da ditadura”, acrescentando: “nós temos que dizer isso aqui, porque nós caímos numa situação pior do que a época da ditadura militar”. A referência, ao mencionar “situação pior” do que à época da ditadura militar, não foi ao governo Bolsonaro, mas ao STF, que, segundo Pimenta, impôs uma ditadura ao país. Disse Pimenta: “É a mesma coisa de terem mandado fechar o Estadão ou a Rede Globo. Isso nem a ditadura pensou em fazer uma coisa parecida com isso. Nos bons e velhos tempos da ditadura, nós temos que dizer isso aqui, porque nós caímos numa situação pior do que a época da ditadura militar. A ditadura ia lá na redação do jornal, lia o que o pessoal tava publicando e censurava uma matéria, duas, um trecho da matéria… nós podíamos publicar uma matéria sem aquela matéria. Agora, a ditadura militar mandar a Polícia Federal pro Estadão e falar ‘vou fechar’ nunca, sobre a cabeça de ninguém.”

DESINFORMAÇÃO E MENTIRAS

A retórica de Rui Pimenta é, em essência, a mesma de Bolsonaro e do bolsonarismo, sobre uma “ditadura do STF”. Em fevereiro, Jair Bolsonaro protestou contra “a ditadura da caneta”, referindo-se ao STF. Em agosto de 2021, Eduardo Bolsonaro afirmou que “a ditadura chegou” pelas mãos dos ministros do STF, alegando que a corte censura a liberdade de expressão, como faz o líder do PCO.

A inclusão do PCO no inquérito das fake news aconteceu pela defesa que o partido faz da “dissolução do STF”, mesma posição do bolsonarismo. Em 2018, Eduardo Bolsonaro afirmou que apenas “um soldado e um cabo” seriam suficientes para fechar o Supremo.

No fim da live, o apresentador, que dividia a mesa com Rui Pimenta, anunciou a agenda midiática do presidente do partido nesta semana: entrevistas no YouTube aos canais Nova Resistência, Arte da Guerra e Monark, todos de extrema direita.

O grupo Nova Resistência é a expressão brasileira do pensador neofascista russo Alexander Dugin, uma versão oriental do pensamento de Steve Bannon e Olavo de Carvalho.

O canal Arte da Guerra pertence ao Capitão-de-fragata da reserva da Marinha Robinson Farinazzo, que se apresenta como “comandante Farinazzo”, um bolsonarista recém filiado ao PDT e pré-candidato a deputado federal. Uma das lives mais recentes do canal foi com o general da reserva Rocha Paiva, ex-presidente de ONG que tem por meta manter viva a memória do maior torturador da história do país, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, a quem Bolsonaro refere-se como seu herói. Rocha Paiva é líder do “Projeto de Nação”, redigido por ele e outros militares, que prevê a dominação do país pelo bolsonarismo e militares até 2035 e medidas como a supressão do SUS.

O canal do apresentador Monark entrou no ar há dois meses, depois que ele foi desligado do canal Flow Podcast por defender a organização de um partido neonazista no país – tese apoiada pelo PCO. Monark é um aliado de Pimenta. O canal do partido reproduz trechos de lives do apresentador de extrema direita e o jornal DCO destacou neste sábado reportagem com o seguinte título: “Contra a censura – Monark sai em defesa do PCO e da liberdade de expressão”.

Em sua campanha contra Alexandre de Moraes, o DCO destacou, também neste sábado: “Ditadura judicial – Skinhead de toga ‘limpa a conta’ de advogada”. No meio da reportagem, apenas, o jornal esclarece que a advogada, Paola Silveira, é casada com Daniel Silveira, e que o bloqueio de suas contas aconteceu depois de STF bloquear as contas do deputado bolsonarista condenado pela corte e encontrou apenas R$ 561,00 -o objetivo do bloqueio é apurar a multa de R$ 405 mil imposta pelo descumprimento de diversas determinações judiciais, inclusive o uso de tornozeleira eletrônica.

A aproximação do partido da família Pimenta com a extrema direita tem se aprofundado desde a decisão de Moraes. Pesquisa do DataFórum demonstrou que o PCO tem apoio apenas de bolsonaristas e duginistas no Twitter e que os líderes, mídias e partidos de esquerda mantêm distância do assunto.

 

TEMAS
PCO
inquérito das fake news
Família Pimenta

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.