BOLSONARO, CIENTE QUE LULA VAI ABISCOITAR NO 1º TURNO, VALENTEMENTE, PROMETE QUE VAI AO DEBATE NO 2º TURNO. QUE NÃO VAI TER

PRODUÇÃO AFINSOPHIA.ORG

 

A maioria do povo brasileiro sabe que Bolsonaro tem incômodo de atenção, é irritado, prepotente,  dificuldade de raciocínio abstrato, confusão semiótica, lentidão intelectual e limitação de conteúdos epistemológicos. Fatores implicantes negativamente em todas as formas de diálogo. E tratando-se de um debate entre várias pessoas, esses fatores são ainda mais implicantes. O que qualquer pessoa dominada por esses fatores evitaria entrar em debate público para não se expor aos comentários julgadores e condenadores que carregam a força da ridicularização.

 

Na fake news coletiva de 2018, alcunhada de eleição presidencial, Bolsonaro participou, contra seu gosto, de dois debates no primeiro turno. Quer dizer: participou presentemente, mas não epistemologicamente, visto sua limitação quanto aos temas. Porém, em seguida veio a tal da facada-salvadora. Estava armada sua grande defesa: no segundo turno se salvou do massacre que iria sofrer diante de  Haddad atribuindo sua fuga a tal da milagrosa facada. Entretanto, concedeu entrevista para canal de televisão sua cúmplice. E ainda foi ajudado pela TV Globo que não quis conceder o horário do debate para entrevistar o candidato-democrático, Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT). E Bolsonaro ainda tem raiva da TV Globo. Que mal-agradecido.

 

Agora, por enquanto, ainda não há facada, mas já avisou que não vai participar dos debates do primeiro turno, porque sabe que todos os candidatos o atacarão e ele não vai ter tempo para se defender e mostrar seus projetos. Alguém perguntaria: que projetos se ele já passou quase quatro anos e nada apresentou para o bem e o desenvolvimento do país? Muito pelo contrário, vem levando o Brasil cada vez mais ao estado de miséria. Porém, prometeu participar do segundo debate, mas exigiu que as perguntas sejam pré-elaboradas. Na linguagem dos valentões: medo-epistemológico. 

 

Todavia, o povo-brasileiro, que é sábio, entende o jogo de cena de Bolsonaro: ele sabe que não vai ter segundo turno. Lula vai fechar a fatura no primeiro turno, segundo mostram as pesquisas. Essa de dizer que vai no segundo turno aos debates é para mostrar para seus crentes, seus semelhantes, que não foge da raia. Não tem medo, porque é possuidor de profundo conhecimento político. Na verdade, clara fantasia, tiração de broncas para não confessar que tem pavor de encontrar Lula pela frente.

 

Bolsonaro, sabe, não aguenta um segundo de debate diante de Lula. O Sapão com seu conhecimento heterogêneo, dominador de  todas as enunciações de saberes e dizeres que constituem uma sociedade e que estruturam o corpus-político de um país, faz qualquer Bolsonaro, com seus fatores negativos, tremer e correr. O Sapão é detentor de segura faculdade de atenção, imensa velocidade intelectual, profunda capacidade de pensamento abstrato, domínio claro das partículas-semióticas, facilidade de persuasão-positiva, é singelo, sabe ouvir, aceitar o contraditório, em verdade, é um Democrata. Não tem qualquer signo de tirania, visto não carregar qualquer tipo de frustração que possa deslocar projetivamente no outro. É, tão somente, um Homem de Seu Tempo. Um Ser Ontologicamente-Histórico. 

 

Como diria o filósofo Zé da Zilda: Nesta eleição presidencial, Bolsonaro encontra-se protegido por duas realidades: uma, Lula vai abiscoitar o pleito no primeiro turno, e, duas, seus eleitores são iguais a ele. Não sabem que a Democracia é o Devir-Povo. A Festa-Comunalidade do Bem-Comum, composta, orquestrada e executada pelo próprio Devir-Povo.

 

Breve cena-nostálgica: Imaginemos, Bolsonaro no Grupo Escolar, quando criança, fazendo prova oral diante da classe. A turma toda olhando para ele. E a professora lembrando, para ele: Não vai ter segunda chamada!

 

   

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.