MINISTRO DA JUSTIÇA DE BOLSONARO, IMITA ERASMO DE ROTERDÃ EM “ELOGIO DA LOUCURA”: “SE NÃO TENS QUEM TE ELOGIE? ELOGIA-TE A TI MESMO. DISTRIBUIU MEDALHAS PARA SI, BOLSONARO E OUTROS MINISTROS

PRODUÇÃO AFINSOPHIA.ORG

 

A vaidade é um sentimento profundamento reativo. Expressa o quanto alguém precisa urgentemente da consideração do outro para se sentir existindo, e quando não ocorre causa intensa dor e exacerba os sentimentos de insegurança e insignificância. Por isso, o escritor holandês Erasmo de Roterdã foi magnifico quando cunho em seu insigne livro, Elogia da Loucura, a sentença reativa salutar para os fracos e os escravos, como diz o filósofo Nietzsche. “Se não tens quem te elogie? Elogia-te a ti mesmo”. 

Uma sociedade com uma subjetividade ficcional só pode ser estruturada e defendida por valores ficcionais para criar a ilusão de que ela é superior e necessária como modelo de felicidade para seus súditos. Por isso, bilhões procuram suas alusões-fantasmáticas como formas de modelos de elevação das personalidades. E nessa subjetividade imaginária, os corpus mais considerados mais proeminentes e verdadeiros, são os corpus institucionais. Estes representam a força-simbólica da lei, da autoridade-infalível, da sabedoria, da honra e da verdade. Daí, que esses bilhões choram de alegria como agraciados pela maravilhosa e bela mamãezinha. Édipo goza “de tanta emoção”, como diria o poeta cearense, Belchior, diante dos elogios. Ou, melhor, das honras.

Em um governo tão brilhante e politicamente reconhecido internacionalmente por sua grandeza e sabedoria, não podia ser diferente. O ministro da Justiça, Anderson Torres, realizou farta distribuição de medalhas do Mérito Indigenistas aos seus semelhantes. Foram agraciados com as medalhas seu chefe, Bolsonaro, ele próprio e outros ministros. Todos pelos portentosos e heroicos trabalhos realizados em defesa e dignidade da causa indígena. O que entenderia do caso o honrado Marechal Rondon?   

Outros ministros que também abiscoitaram a Medalha do Mérito Indigenista os ministros Walter Braga Netto (Defesa), Tereza Cristina (Agricultura), Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria-Geral), Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura), João Roma (Cidadania), Marcelo Queiroga (Saúde) e Bruno Bianco (Advocacia-Geral da União).

E ainda foram condecorados também o presidente da Funai, Marcelo Xavier, os diretores-gerais da Polícia Federal, Márcio Nunes, e da Polícia Rodoviária Federal, Silvinei Vasques, o diretor da Força Nacional, Antônio Aginaldo de Oliveira, e os ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) Augusto Nardes e Jorge Oliveira.

Com informações do Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.