…BRECHT…10.2.1898… “COMIGO É QUE VOCÊS NÃO VÃO CONTAR”

PRODUÇÃO AFINSOPHIA.ORG

Brecht é como filósofo: sempre Festejante!

 

Este CD, “Comigo é Que Vocês Não Vão Contar” é uma enunciação-política-estética-musical da Associação Filosofia Itinerante (AFIN) cuja potência intensidade pura movimentou seu desejo nas conexões dos fluxos reais já na década de 60 fundamentando seus corpus na década de 70 com o vetor-teatral Grupo Universitário de Teatro do Amazonas (GRUTA) expressando-se através de estudos sobre Bertolt Brecht se configurando cenicamente com a engajada peça A Exceção e A Regra composta pelos atores Rui Brito, Marco Aurélio Lopes, Humsilka Amorim, Luis Marreiros e Ricardo Parente. Sua realização contou com a encenação de Marcos José fazendo uso do Método Dialético de Distanciamento criado pelo teatrólogo alemão. Para não criar alucinações e delírios capitalistas e capitalísticos.

Em seu contínuo movimento, como pura potência intensiva-desejante, os encadeamentos brecheteanos cortaram, com novas realizações, a década de 80, com a peça Luz Nas Trevas encenada com os atores Mário Freire, Abdiel Moreno e Haroldo Glauk, do então Grupo Pessoal da Barca. A década de  90, com poemas musicados. Para nas décadas, a partir de 2000, realizar com o grupo Teatro Maquínico da AFIN, Quanto Custa O Ferro encenado com os atores Peterson Colares, Maurício Colares, Evanilson Andrade, Alcir Madureira e Miguel Oliveira, e, novamente, a peça A Exceção e a Regra composta por Alcir Madureira, Lucicleia Lopes, Miguel Oliveira e Vinicius Padilha. E, na Universidade do Estado do Amazonas (UEA), encenar com os atores Matheus Cascaes, Maurício Braga, e as atrizes Aienie, Jamini Paixão e Lady Paloma, a peça Luz Nas Trevas. E, na sequência, a pequena peça, O Espião encenação que contou com as interpretações de Jamini Paixão e Matheus Cascaes.

Já, o CD Comigo É que Vocês Não Vão Contar, foi composto junto com o processual da práxis-poieses desenvolvida junto aos trabalhadores e estudantes, Brecht Educador. Trata-se de um breve prospecto com entendimentos políticos do teatrólogo sobre a justiça social que era entregue nas fábricas e escolas aos interessados. Porém, o CD, em si mesmo é um corpus-musical composto de poemas em suas originalidades literárias e partes extraídas de algumas peças do artista da Floresta Negra. São criações de Brecht musicalizadas pelo pessoal da AFIN. E, para alegria maior de Brecht, como presente-povão, é distribuído gratuitamente. São 19 poemas entre cantados e falados. Quem chegar primeiro leva.  

A gravação foi realizada neste ano de 2022, no Estúdio Austra Sound, sob a produção do talentoso artista-musical Mathews, na Rua Arquiteto Renato Braga – 3. Bairro do Parque 10 de Novembro.

A execução musical e poética é realizada por Marcos Jose na voz e violão e Tauená-Pixuto na fala do poema Pobre BB. Como é sabido até as pedras que não rolam sabem, por isso criam lima, os poemas de Brecht não são para ser declamados, mas para serem falados.

Aqui quatro áudios musicais-cantantes: Pobre B.B. (Falado), Hino a Deus, Balada da “Prostituta de Judeus” Marie Sanders e Mãe Alemã. Uma porrada nos nazifascistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.