SEM BOLSONARO, SOMA DE VOTOS ANTI-LULA DESPENCARIA DE 33% PARA 23%

“É preciso, por isso, redobrar a atenção. As classes dominantes não têm compromisso com a democracia, são atavicamente golpistas, e por isso não hesitarão em lançar mão de toda sorte de vilania contra Lula para preservarem seus privilégios”, avalia o colunista Jeferson Miola.

Por Jeferson Miola 

Na última pesquisa de opinião [11/11] o instituto Vox Populi simulou cenários de 1º turno com e sem Bolsonaro. Esta simulação permite analisar quais candidaturas poderiam se beneficiar com a migração dos 21% do eleitorado bolsonarista.

gráfico pesquisa

No cenário com todos candidatos anti-Lula da oligarquia dominante – que inclui Bolsonaro, Moro, Ciro, Datena, Dória, Mandetta e Pacheco –, Lula tem 44%. A soma das intenções de votos em todos seus oponentes alcança 33%, correspondentes aos 21% de Bolsonaro + os 12% de todos demais candidatos da direita e extrema-direita.

Na simulação sem a opção Bolsonaro na urna eletrônica, Lula oscilaria para 45% e a soma das intenções de votos em todos demais candidatos anti-Lula despencaria de 33% para 23%.

Neste cenário de ausência de Bolsonaro na eleição, como então poderia ficar a distribuição dos votos bolsonaristas?

Vox mostra que a maior migração do eleitorado bolsonarista seria para votos brancos/nulos, que aumentariam de 10% para 17%. Isso significa que 1/3 do eleitorado cativo do Bolsonaro não migraria para nenhum outro candidato da direita e extrema-direita que representa a continuidade do golpe, mas seriam anulados.

tabela1

Sérgio Moro seria, nominalmente, o principal beneficiário. Ele passaria de 3% para 8%, um aumento de 5% nas intenções de voto. Mesmo sendo o mais identificado com o bolsonarismo, Moro conseguiria atrair apenas cerca de ¼ do eleitorado bolsonarista. Atrás dele vem Ciro, atraindo 2% do eleitorado bolsonarista, seguido de todos demais, que acrescentariam 1 ponto percentual cada.

O resultado da Vox coincide com levantamentos de outros institutos de pesquisa que também mostram o quadro eleitoral estabilizado. Todos identificam Lula bem à frente, distanciado com folga das candidaturas do bloco dominante e com chances realistas de vencer a eleição de 2022 já no 1º turno.

As pesquisas também confirmam que Bolsonaro, apesar da enorme e crescente rejeição e de possuir menos da metade das intenções de voto do Lula, ainda é o que de mais competitivo as classes dominantes conseguem apresentar.

Se com Bolsonaro a vida dos golpistas já é difícil, sem Bolsonaro ficaria ainda pior, como mostra a pesquisa Vox Populi. Mesmo com o descalabro econômico e social que erode a popularidade do Bolsonaro e amplia a ilegitimidade do governo militar, as classes dominantes não conseguem encontrar alternativas viáveis para darem continuidade ao brutal processo de desmanche, pilhagem e saqueio do Brasil.

O motivo para isso é que a eleição de 2022 será um julgamento plebiscitário do golpe perpetrado pelas classes dominantes para executar este programa anti-povo e anti-soberania que legou uma realidade de morticínio, desemprego, fome e miséria.

A continuidade do empreendimento golpista está seriamente ameaçada pela perspectiva de vitória do Lula em outubro do próximo ano. À medida que a eleição se aproxima, vão se estreitando as margens de manobra para as oligarquias conseguirem encontrar alguma alternativa dentro das regras do jogo.

É preciso, por isso, redobrar a atenção. As classes dominantes não têm compromisso com a democracia, são atavicamente golpistas, e por isso não hesitarão em lançar mão de toda sorte de vilania contra Lula para preservarem seus privilégios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.