JANE GOODALI: “NÃO VAMOS CULPAR OS MORCEGOS PELO CORONAVÍRUS”

Do La Nacion

Jane Goodall: “Não vamos culpar os morcegos pelo coronavírus”

De pé no centro do palco com o Sr. H, o chimpanzé de pano que viaja com ela há 60 anos, Jane Goodall cumprimenta a platéia emitindo o som desses animais. Quando há silêncio, o público, como que por mágica, é transportado para a Tanzânia, mais precisamente para Gombe, onde há 60 anos começou a história dessa lenda viva, a cientista de 86 anos, etologista e primatologista, considerada uma dos 100 pessoas mais influentes do planeta.

Aos 26 anos, Goodall foi à África estudar chimpanzés na natureza, sob a supervisão do Dr. Leaky, um paleoantropólogo inglês. Lá, ela descobriu que eles não apenas tinham o mesmo tipo de emoções que os humanos, mas todos tinham personalidades diferentes e muitas semelhanças conosco. O chimpanzé é o nosso parente mais próximo. Jane descobriu que eles foram capazes de criar suas próprias ferramentas para sobreviver. Seu trabalho de campo é um dos mais valiosos e demorados para os animais existentes, pois mudou a maneira de entender os animais e revolucionou o mundo científico.

Goodall, esse ícone da defesa dos animais e do meio ambiente, Mensageira da Paz da ONU e Senhora do Império Britânico, viaja 300 dias por ano para levar sua mensagem poderosa e clara a todos os pontos cardeais, tornando-a doce e voz firme, alertando sobre as mudanças climáticas e promovendo uma convivência harmoniosa com todos os seres vivos. Ela é precisa, empática, compassiva e inteligente. Sempre atrai o coração das pessoas, continuando a dizer tudo o que os humanos não estão dispostos a entender: ou paramos de manipular a natureza e os animais ou ficaremos sem nosso lar, a Terra. Seu último documentário da National Geographic “The Hope” será lançado em breve.

A cientista está em quarentena na Inglaterra, em sua casa, com sua irmã, um whippet e um galgo, “Bean”, resgatado das corridas.

– Onde a quarentena a encontrou?

– Felizmente eu estava na Inglaterra, na casa onde nasci, em Bournemouth, na costa sul. Eu estava literalmente entrando em um táxi para iniciar uma turnê, quando recebi a mensagem de que meu voo havia sido suspenso. No começo, fiquei muito frustrado por não poder continuar trabalhando, mas juntos criamos uma “Jane virtual” e, a partir desse momento, não paramos de trabalhar. Eu acho que nunca trabalhei mais na minha vida!

– Você ficou surpresa com o coronavírus?

– De jeito nenhum. Foi anunciado. Somos nós que fornecemos todas as condições para o que está acontecendo devido à manipulação que fazemos da natureza e à crueldade com que tratamos os animais. Sabia-se que viria, como aconteceu com os outros vírus anteriores, não é a primeira vez que se passa de animais para humanos, e continuará a acontecer se não pararmos de maltratar o planeta e os seres vivos. Estamos destruindo o habitat dos animais e eles são forçados a ter um contato mais próximo com os seres humanos, eles vivem lotados, estressados, destruímos seu habitat e os reunimos. Os vírus saltam de uma espécie para outra e, quando as condições são adequadas, passam para os seres humanos, como aconteceu em um mercado úmido com animais selvagens. Nem todos os mercados úmidos da Ásia têm animais selvagens. Mas também poderia ter começado em qualquer lugar: Ásia, África, Europa ou Oriente Médio, América, na agricultura intensiva, nos mercados de Bush na África, em muitos lugares. O Hiv se originou na África por comer chimpanzés e o Mers-Cov no Oriente Médio através de um camelo doméstico. Peste suína em Iowa, Estados Unidos, e temos Sars confinado a uma área e o vírus causado por cavalos e Ebola que causou muitas mortes e permaneceu na África. Poderíamos continuar … Está na hora de começarmos a respeitar os animais, parar de tratá-los como mercadorias, invadir habitats, destruir florestas e começar a entender que eles estão diretamente conectados. Tudo o que fazemos manipulando a natureza afeta diretamente os animais e cria as condições para que os vírus passem aos seres humanos.

– Você acha que o efeito produzido pelo Covid-19 que se espalhou por todo o mundo foi diferente do restante dos vírus e que produzirá uma mudança nos costumes e no modo de vida?

– Desta vez, o que me surpreendeu foi o efeito do vírus. A novidade foi a velocidade com que ele se move de um humano para outro e que fez o mundo parar. Milhões de pessoas ficaram sem trabalho, incapazes de deixar suas casas e se espalharam por toda parte. Vimos medo nos olhos das pessoas. Quando os chimpanzés tiveram poliomielite em Gombe, e aqueles que eram saudáveis ​​viram que não podiam andar, afastaram-se por medo. É algo semelhante ao que é agora o isolamento social pelo coronavírus. Há medo nos olhos das pessoas e elas se cruzam. Além disso, algo muito importante aconteceu e é que os cidadãos realmente viram o efeito que isso produziu no meio ambiente. Nas cidades, as pessoas respiravam ar puro pela primeira vez em muito tempo, e isso não passou despercebido por ninguém. Alguns até viram as estrelas pela primeira vez. Ninguém quer voltar à poluição e a esse modo de vida feio que criamos. No geral, com o coronavírus, tivemos sorte de as mortes não serem tantas, se pensarmos na porcentagem.

– Quais são os principais problemas que devemos resolver?

– Temos quatro grandes problemas. São eles: pobreza, corrupção, densidade populacional e a definição de sucesso. Em relação à pobreza, se você é muito pobre e precisa sobreviver, não pode ser solicitado que não atire em um macaco ou capture-o para vendê-lo ou corte a última árvore, sem lhe dar outra alternativa. Durante anos, através da Roots & Shoots Foundation(Raízes e brotos), ajudamos as pessoas mais pobres a gerar seus meios de subsistência alternativos sem destruir a natureza e os animais. Nunca seremos capazes de responder a todos os problemas que criamos, a menos que reduzamos esse sustento insustentável. Para aqueles que não se importam com a vida selvagem, acho que deveriam pensar em seus filhos quando estamos destruindo nossa casa. O planeta tem recursos limitados e esse será o nosso fim. Nosso modo de vida é insustentável e eu me incluo nele. Temos muito mais do que precisamos. Não podemos fingir que somos todos pobres novamente, mas acredito que devemos repensar a definição de sucesso. O que é sucesso? Agora é prata e poder. O sucesso é puramente econômico e isso nos leva a desviar e destruir o mundo natural e abandonar completamente nossa vida espiritual. Temos 7,2 bilhões de pessoas no planeta e estamos usando todos os recursos naturais. Em 25 anos, estima-se que haverá 9,7 bilhões de pessoas. E então temos a corrupção, que está em todo o mundo. Em alguns lugares, mais do que outros, mas está em toda parte e causa enormes danos. Quando saímos dessa pandemia, que será muito dolorosa, temos que enfrentar mudanças e parar de desrespeitar nossa terra, nossa casa e, consequentemente, nós mesmos. É o único que temos. O ser humano tem um intelecto capaz de tudo e, quando o usa para o bem, é capaz de alcançar tudo. Os jovens estão mudando e há esperança. isso está em todo o mundo. Em alguns lugares, mais do que outros, mas está em toda parte e causa enormes danos. Quando saímos dessa pandemia, que será muito dolorosa, temos que enfrentar mudanças e parar de desrespeitar nossa terra, nossa casa e, consequentemente, nós mesmos. É o único que temos. O ser humano tem um intelecto capaz de tudo e, quando o usa para o bem, é capaz de alcançar tudo. Os jovens estão mudando e há esperança. isso está em todo o mundo. Em alguns lugares, mais do que outros, mas está em toda parte e causa enormes danos. Quando saímos dessa pandemia, que será muito dolorosa, temos que enfrentar mudanças e parar de desrespeitar nossa terra, nossa casa e, consequentemente, nós mesmos. É o único que temos. O ser humano tem um intelecto capaz de tudo e, quando o usa para o bem, é capaz de alcançar tudo. Os jovens estão mudando e há esperança. O ser humano tem um intelecto capaz de tudo e, quando o usa para o bem, é capaz de alcançar tudo. Os jovens estão mudando e há esperança. O ser humano tem um intelecto capaz de tudo e, quando o usa para o bem, é capaz de alcançar tudo. Os jovens estão mudando e há esperança.

– A Fundação Roots & Shoots também está na China. Como esse país reagiu ao Coronavírus?

– Reagiu muito rapidamente proibindo comer, exportar e vender animais selvagens. Os mercados úmidos reabriram, mas a maioria não vende espécies selvagens. Eles estão fazendo um projeto para tornar a proibição permanente. Na China, o que eles fizeram – porque Pangolin é conhecido por ser muito bom para a medicina tradicional – foi removê-lo do topo da lista de animais protegidos. Além disso, há um imposto pago pela medicina tradicional e há uma lista dos animais utilizados. Mas, como em muitos países, há muita corrupção e esse é um dos grandes problemas. Mas a maioria dos chineses não come animais selvagens. Eles estão começando a cuidar do meio ambiente, mas estão se mudando para outros países, como fizeram as colônias européias na época.

– Você esteve várias vezes na Argentina. Em uma dessas ocasiões, Jane & Payne foi ao cinema na Patagônia. Como foi essa experiência?

– Foi a minha primeira vez na Patagônia e pudemos ver as baleias. Foi uma experiência mágica morar e filmar lá com Roger Payne (que descobriu o canto das baleias jubarte e trabalha para sua conservação) e Boy Olmi, o diretor. Também com Payne, começamos a investigar ao mesmo tempo, em 1960. Ele com as baleias e eu com os chimpanzés. Não nos conhecíamos pessoalmente e foi muito enriquecedor poder conversar sobre todas as questões que nos dizem respeito e transmiti-las no documentário. E morar lá, perto deles.

Fiquei surpresa com o efeito do vírus. A novidade foi a velocidade com que ele se move de um humano para outro e fez o mundo parar. Milhões de pessoas ficaram sem trabalho, incapazes de deixar suas casas e se espalharam por toda parte. Vimos medo nos olhos das pessoas

– Você visitou o resto da Argentina?

– Eu tive tempo suficiente para ver os efeitos do desmatamento para criar vacas em terras que inicialmente não eram adequadas. Eu acho que a criação intensiva é muito cruel, não no campo, exceto no final, é claro. As vacas geralmente são melhores que outras espécies, mas são muito prejudiciais ao meio ambiente. A questão alimentar seria amplamente resolvida se não alimentássemos todos os animais que mais tarde se transformarão em carne, o que também não é bom para a saúde. Acho que precisamos encontrar maneiras de os seres humanos viverem sem caçar ou torturar e começar a pensar em não comer animais, principalmente em fazendas intensivas. Não é apenas cruel, mas destrói grandes áreas apenas para alimentar esses animais que mais tarde se tornarão carne para nós. Também usamos uma enorme quantidade de água. A mudança climática é algo ainda mais ameaçador do que essa pandemia que está por vir. Mas se não fizermos algo, o balão esquentará e chegará o momento em que não será adequado para humanos. E temos que aprender que fazemos parte deste mundo natural e não estamos separados

– Qual é a principal diferença entre chimpanzés e nós?

– Embora possam ser muito agressivos também, nunca fazem isso a sangue frio. Não especule. Mas há momentos, lembro-me de um em particular, que produzem algo mais parecido com uma guerra civil. Os chimpanzés que pertenceram à mesma família se aliaram a outros e mataram aqueles que pertenceram à sua família.

– Se tivesse que escolher um conselho …

– Lembre-se de que todos os dias que estamos neste planeta, fazemos a diferença. Em cada ato que realizamos, pense se estamos fazendo mal, se foi feita crueldade com animais ou se estamos estragando alguma coisa. Pergunte a nós mesmos com cada pequeno gesto e todos os dias se estamos criando um mundo melhor. Cada pequeno detalhe de cada um de nós faz a diferença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.