LAVA JATO PEDE QUE LULA CUMPRA PRISÃO EM CASA

Para a defesa, caso Lula aceite cumprir o domiciliar, isso não pode afetar o julgamento de que Moro é suspeito e a inocência de Lula

Foto: Ricardo Stuckert

Jornal GGN – Os procuradores da força-tarefa de Curitiba, incluindo Deltan Dallagnol, concordaram com a prisão domiciliar do ex-presidente Lula, por já ter cumprido um sexto da pena e por bom comportamento. Em manifestação, o Ministério Público Federal (MPF) disse ao ministro Edson Fachin, so STF, que Lula pode ir para casa.

A informação é de Mônica Bergamo: “O cumprimento da pena privativa de liberdade tem como pressuposto a sua execução de forma progressiva”, anotou o MPF, no comunicado ao relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal. Assinam o pedido os procuradores Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa de Curitba, Roberto Pozzobon e Laura Tessler.

Contudo, a manifestação dos procuradores foi realizada no recurso de Lula de que o ex-juiz e atual ministro Sergio Moro deve ser considerado suspeito, diante das ilegalidades cometidas na condução do processo contra o ex-presidente.

Em resposta, o advogado de Lula, Cristiano Zanin, disse que iria consultar o ex-presidente e que, independentemente da decisão de Lula, a progressão do regime para o semiaberto “jamais poderá prejudicar o julgamento da suspeição do ex-juiz Sergio Moro pelo STF”.

Na visão de Zanin, essa manifestação do MPF poderia ter este objetivo: “como pretende o Ministério Público, pois todo o processo deve ser anulado, com o restabelecimento da liberdade plena do ex-presidente”. Publicamente, Lula já afirmou que quer sair da sede da Polícia Federal de Curitiba sendo considerado inocente.

“O ex-presidente Lula deve ter sua liberdade plena restabelecida porque não praticou qualquer crime e foi condenado por meio de um processo ilegítimo e corrompido por flagrantes nulidades. Sem prejuízo disso, conversaremos novamente com Lula na próxima segunda-feira sobre o direito em questão para que ele tome a sua decisão sobre o assunto”, respondeu Cristiano Zanin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.