GGN: COMEÇA VAZAMENTO DE DELAÇÃO OFICIAL DE LEO PINHEIRO CONTRA LULA

Os principais implicados na delação negam ou dizem que Pinheiro “inventou” a história. Procurada, a defesa de Lula afirmou que o acordo se deu no contexto de “perseguição contra pessoas pré-estabelecidas” pelos procuradores

Jornal GGN – A delação de Leo Pinheiro, ex-OAS, aguarda desde dezembro do ano passado pela homologação do Supremo Tribunal Federal. Ou seja: ainda não foi aceita pela Justiça e tampouco se sabe quais provas corroboram o depoimento, ou mesmo se ele terá utilidade na instrução de uma ação penal. Mas o vazamento do conteúdo oficial entregue à Lava Jato já começou a preencher o noticiário.

Nesta quarta, 1º de maio, Folha de S. Paulo publicou reportagem em que revela que Pinheiro arrastou para a operação o nome da ex-assessora de Lula, Rosemary Nogueira. A empresa de seu marido, a New Talent Construtora, teria supostamente sido favorecida pela OAS, para agradar Lula.

O curioso é que, pela narrativa de Pinheiro, Lula não pediu diretamente a ele que a New Talent fosse contratada. Ele teria, inclusive, recuado do “pedido”, feito por Paulo Okamoto (que nega), por aparente “irritação”. Mais uma vez, Pinheiro, cita reunião com o ex-presidente no Instituto Lula, o que não prova exatamente o que foi discutido no encontro.

Também chama atenção que a Lava Jato repete o expediente de criminalizar contratos e serviços que de fato existem e foram executados.

E pelo teor divulgado, o depoimento é mais um do tipo “palavra de delator contra palavra de acusado”. Folha não publicou uma linha sequer sobre como Leo Pinheiro teria provado o que disse contra Lula aos procuradores.

Os principais implicados na narrativa de Pinheiro negam ou dizem que ele “inventou a história”.

Procurada, a defesa de Lula afirmou que a delação certamente se deu dentro do contexto de “perseguição contra pessoas pré-estabelecidas” pelos procuradores.

A reportagem não informa o que Lula supostamente fez, qual a contrapartida à OAS, em troca do suposto pedido de favorecimento à New Talent.

Folha, ainda assim, manteve a cobertura do gênero “cão de guarda da Lava Jato” (veja artigo sobre isso aqui) e deu destaque total as acusações feitas por um candidato a delator que permaneceu muito tempo preso antes de mudar de versão e aceitar os termos do Ministério Público.

Com base na delação informal de Pinheiro, Lula está detido em Curitiba, condenado no caso triplex a 8 anos e 10 meses de prisão.

A DELAÇÃO

Segundo a delação, a OAS e a Previ (fundo de pensão do Banco do Brasil) eram sócias na Invepar. Em 2012, o então presidente da Previ, Ricardo Flores, teria pedido a Leo Pinheiro para contratar, via Invepar, a empresa New Talent, de João Vasconcelos, marido de Rosemary.

Pinheiro afirma que repassou o pedido para Carlos Henrique Lemos, então superintende da OAS em São Paulo.

A New Talent Construtora de fato foi contratada e fez a obra de duplicação da rodovia Raposo Tavez, conduzidas pela Cart (Concessionária Autoestrada Raposo Tavares), que pertence à Invepar.

Folha afirma que “os serviços realmente forma prestados pela New Talent Construtora”.

Dois anos depois, em 2014, segundo Pinheiro, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto, teria lhe dito que a New Talent teve prejuízo no contrato com a Invepar, e pediu uma “nova oportunidade” para a empresa.

Pinheiro afirma que, de novo, acionou Carlos Henrique Lemos, mas dessa vez a contratação demorou.

E aí entra a cereja do bolo:

“O EX-PRESIDENTE DA OAS DISSE QUE EM OUTUBRO DE 2014, NUM ENCONTRO COM LULA E OKAMOTO NO INSTITUTO LULA, ELE FOI PRESSIONADO PELO EX-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, QUE TERIA SE MOSTRADO PROFUNDAMENTE IRRITADO COM A DEMORA NA CONTRATAÇÃO E DISSE PARA QUE ESQUECESSEM O PLEITO.”

O papel de Lula na trama toda teria sido ficar irritado e recuar do “pedido”.

Lemos, então, teria se reunido com Rosemary e o marido em 5 de novembro de 2014 para discutir a questão. Antes do ano terminar, a New Talent foi contrata pela OAS para “realizar obras num empreendimento de revitalização da favela do Real Parque, na zona sul da capital paulista. A Folha apurou que a New Talent recebeu da OAS mais de R$ 1,8 milhão pelos contratos.” O jornal não informa não indício de irregularidade ou suspeitas quanto ao serviço.

Procurada, a defesa de Carlos Henrique Lemos disse à Folha que não acredita no que Leo Pinheiro fala porque ele muda de versão o tempo todo. “Eu não confio no que disse esse cidadão. Eu tenho informação de que ele chegou a mudar o depoimento dele. Qual é o correto? O primeiro ou o segundo. Ele é inconfiável”, disse.

A defesa de Lula reclamou em nota que a delação, sem valor probatório, foi vazada no contexto de “perseguição contra pessoas pré-estabelecidas” depois que o ex-presidente deu entrevista à Folha e El País. Folha afirmou que tinha “informações” sobre esse tema desde antes da entrevista.

Okamoto afirmou que a delação é um “invenção” de Pinheiro.

Rosemary não quis se manifestar.

Ricardo Flores disse que desconhece a delação, mas pelo que recebeu de informações da Folha, “ela não procede”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.