PAI JOEL E SEUS CONHECIMENTOS SOBRE A UMBANDA E TODO O AXÉ DE SEU ZÉ MALANDRO

Pai Joel e suas entidades por você.

Oi, leva fé, leva fé nesse homem

Que esse homem é de ajudar

Você pode gritar por seu nome

Toda vez que precisar

.

Oi, salve a sua batucada

Sob a luz da lua

Numa linda madrugada

Nas esquinas, pelas ruas

.

E no seu samba tem muita cerveja

E muita mulher

Mas também tem caridade

Que ele presta a quem quiser

.

Pois é. É, pois é

Bate palma no samba do seu Zé

Canta forte minha gente

Que esse samba é de fé

.

Se no seu caminhar, se no seu caminhar

Encontrar algum perigo

Chama seu Zé, que ele passa contigo

Ele tem muita força, ele tem muito axé

.

Ele vem na Umbanda,

Gingando, cantando, sambando no pé

Todo de branco, vem malandreando

Só ajudando a quem tem fé

.

Saravá, seu Zé. Ê, saravá seu Zé

Seu Zé. Ê, saravá seu Zé

Saravá seu Zé Malandro

Salve a força da fé

SOBRE OS 100 ANOS DE UMBANDA

A Umbanda começou em São Gonçalo, no Rio de Janeiro, justamente a cidade onde eu fui criado. O caboco Sete Espadas foi o primeiro caboco da Umbanda. Começou, e apareceram outros cabocos, como o caboco Araribóia, que foi o grande fundador de Niterói. Alguns pensam que no Rio não tem índio, mas no Rio tem índios também; as ruas de Niterói são ruas indígenas, as praias, como a Praia das Flexas, a Praia do Ingá, Praia de Itacoatiara, Praia de Itaipu. Araribóia brigava com a tribo dos Tamoios, que era onde é São Gonçalo. Araribóia é um caboco brasileiro. Você chega na Av. Amaral Peixoto, tá lá o Araribóia, de frente pras barcas. A Umbanda é uma coisa muito bonita, muito formosa, é uma coisa humilde, simples, onde prevalecerá sempre a caridade. A Umbanda traz muitas coisas boas.

Eu saí no Candomblé, quando eu cheguei aqui em Manaus, eu passei pra Umbanda, até porque é muito difícil de cultuar aqui o Candomblé, Jêju, Nagô, e por isso eu optei pela Umbanda. Aqui é terra da pajelança, de caboco, de Oxóssi, e da água doce, que é Oxum, que no chamado sincretismo, é Nossa Senhora da Conceição, e Oxóssi é São Sebastião, que, inclusive é o padroeiro do Rio de Janeiro. E daí a Umbanda teve uma difusão muito grande, se espalhou pelo Brasil todo. Umbanda é, como meu velho fala, humildade, caridade e simplicidade. Se uma pessoa bate na sua porta, você tem por obrigação de ajudar ela; prioridade para os doentes, pessoas que estão desempregadas, coisas de amor é luxo. A Umbanda completou 100 anos, é muito bonito. Tá pra dar um grande passo aqui em Manaus também, se todos trabalharmos juntos. Como a Mãe Emília, na Fucabeam, um trabalho muito formoso que ela vem fazendo, se preocupando com os barracões; ela vem pra ajudar.

NA FALANGE DOS MALANDROS, SEU ZÉ MALANDRO

Zé Pelintra teve uma história bonita. Não que a história de Seu Zé Malandro não seja bonita, mas a história de Seu Zé Pelintra é muito mais bonita, tem o Zé Pelintra da Lapa, o Zé Pelintra do Morro, assim como tem o Zé Malandro da Lapa, o Zé Malandro do Morro, Zé Malandro da Maloca. Eu recebo Seu Zé Malandro, é o meu paizão. A falange dependeu do Zé Pelintra. Se eles têm um nome, a falange, eles devem ao Zé Pelintra, que realmente existiu; alguns dizem que ele morreu de navalha, outros dizem que foi fuzilado na porta de um cabaré. Zé Pelintra é um mestre, ele fez muitas coisas boas, ele não era só malandro. As pessoas tem que passar a conhecer melhor a falange do Zé Pelintra, eles reinaram no pé do morro, na Lapa, em Santa Tereza, como diz aquele ponto:

O morro de Santa Tereza está de luto

Porque Zé Pelintra morreu…

Então, os malandros reinaram em cada local, por exemplo, a praça Mauá:

Quando venho descendo o morro

Falei pra queza que eu vou trabalhar

Eu boto meu baralho no bolso

Castiçal no pescoço

E vou pra Barão de Mauá…

Fica um porto de frente para a Barão de Mauá. No caso, quando eles vieram de Pernambuco, fugidos, onde eles ficaram? Na Barão de Mauá, praça Mauá. Então, tem um fundamento ali. Cada ponto tem de identificar o fundamento desse mestre, porque ele foi criado naquele ciclo ali. Por exemplo, se ele passou pra linha de caboco:

Lá no pé da juremeira

Zé Malandro assentado

Fazendo seu catimbó

Dando conta do recado

Ele foi um catimbozeiro também, ele foi um feiticeiro. Esse ponto:

Lá na Aruanda tem um mestre na jurema

E na Umbanda Zé Malandro é morador

Se é doutor, se é feiticeiro,

Tenha certeza, Zé Malandro é curador.

Ele pode vir também na linha de preto velho. Em caso de necessidade, a falange pode arriar na linha de preto velho, em caso de necessidade. É por isso que ele vem. Ele vem na linha de exu, só que ele não é exu, mas ele vem. Ele é mestre, ele pode entrar em quatro linhas, como eu expliquei pra você no anterior, em cada linha ele age de um jeito. Na linha de caboco pode beber a cerveja branca, mas na linha de caboco ele bebe mais é vinho, ou como diz a língua de dele, “é o sangue de Cristo”. Então, no caso, na linha de preto velho ele vem fumar o cachimbo; não que na linha de caboco ele não possa fumar o cachimbo, ele pode, mas na linha de preto velho não pode faltar. Ele, como um mestre, já é doutrinado. A falange de malandro respeita muito os pretos velhos, os preto velho tem uma doutrina maior, uma rede. No caso, eles tem muito respeito pelos pretos velhos, com o povo da rua. Como diz o seu Zé Malandro, passando pra linha esquerda:

Tranca Rua e Zé Malandro são dois velhos companheiros

Traca Rua na encruza e Zé Malandro no terreiro.

Cada linha, ele tem que cantar um ponto daquela linha que ele tá. Eu vou contar um, no caso, na linha de exu:

Olha ele aí, olha ele aí, olha ele aí, olha ele aí

Oi, teve uma blitz no morro, a polícia vem aí

Oi, teve uma blitz no morro, a polícia vem aí

Malandro que é malandro se escondeu lá na Figueira.

O que é a figueira? A figueira era lá onde eles faziam os rituais. A figueira era onde eram feitas as gamelas nas quais se faziam as obrigações, embaixo daquela figueira eles faziam rituais de exus. Então, no caso, a figueira tem um significado na linha de exu. Esse ponto da linha de exu ele encontra com a linha de caboco, ele tá numa linha e tem que contar o ponto daquela linha: se ele tá na mata, ele tem de cantar da mata; se ele tá na linha de preto velho, tem que cantar na linha. A falange é assim; não são exus como muitos acham, não, eles são mestres. Tem um ponto assim:

Saravá, saravá, todo filho de umbanda

Pra salvar sua banda, Zé Malandro chegou

Ele vem de Aruanda, ele é mestre nagô

Saravá, minha gente, Zé Malandro chegou.

Assim como Zé Malandro, Zé Pelintra, Zé Pretinho, Zé Brilhantina, Buscapé (que é o mais novo da falange), Francisco Pelintra, no caso eles formam uma falange. Os outros pegaram fama devido ao Zé Pelintra; tem uma prece do Zé Pelintra:

Salve seu Zé Pelintra, salve os malandros, salve a malandragem…

Palavra ditas pelo seu Zé:

Sete caminhos andei, cheguei

Sete perigos passei, passou

Sete demandas venci, conquistei

Sete vezes tentaram me derrubar, mas de pé fiquei.

O seu Zé Malandro fala assim, que ele é igual o bambu, ele enverga, mas não quebra, é gira, como ele fala. Tem umas estórias que eles falam, que o Zé Pelintra tava querendo alguma coisa com a Maria Bonita e o Zé Pelintra, o Zé Malandro, estavam querendo pegar o Lampião na covardia. Tem até um ponto que ele canta:

Mulher, mulher, não tenha medo do seu marido

Mulher, mulher, não tenha medo do seu marido

Se ele é bom na faca, eu no facão

Ele é bom na reza, eu na oração

Eu sou Zé Pelintra, ele é Lampião.

Eles sempre foram inimigos o Lampião com o Zé Pelintra, porque o Zé Pelintra queria ficar com a mulher do Lampião. E ele queria armar pra pegar o Lampião, que era muito perseguido. A história de Lampião é muito bonita. No final é que muito triste, mas ele ficou com a Maria Bonita. Ele morreu, mas ela não ficou pra ninguém, ficou com ele. foi um amor muito bonito esse do Lampião com a Maria Bonita, eles eram muito temidos. No caso a falange naquela época era muito bonita. A idade do seu Zé é de 1843 e a idade do Zé Pelintra é de 1852. José Gomes da Silva ou Zé Pelintra. A história é muito bonita, no sertão de Pernambuco, uma cidade muito sagrada porque foi dali que saiu a falange quase toda dos malandros, e se juntou com os outros malandros que já tinham no rio de janeiro também.

Seu Zé e Axé por você.

Alguns fregueses, alguma festa que eu vou, às vezes alguém fala: “Mas Zé Malandro?! Nunca vi Zé Malandro. Já vi Zé Pelintra.” Eu digo: “Não, Zé Malandro.” Falta eles procurarem se informar mais. Eu nunca tinha mostrado pra vocês esses pontos deles. As pessoas falam: “Esse ponto deve ser copiado.” Não, ele existe, como eu te mostrei. Eles tem que respeitar a entidade como se deve respeitar; a mim não importa se a pessoa cultua esse ou aquele; eu quero ver é que a pessoa tá cultuando o seu caboco, o seu preto velho, tá recebendo seus orixas. Isso é que importante dentro da Umbanda, do Candomblé, que você tá cultuando. Conselho que eu dou: Não desista! Nessa vida, ninguém vive só de vitória. Como diz a prece de Oxalá:

Que a paz de Oxalá renove nossas esperanças

Depois de erros e acertos, tristeza e alegrias,

Derrotas e vitórias, chegarei aos pés de Zambi maior

Êpa babá Oxalá!

10 thoughts on “PAI JOEL E SEUS CONHECIMENTOS SOBRE A UMBANDA E TODO O AXÉ DE SEU ZÉ MALANDRO

  1. como , o senhor pode ler , meu nome eu tenho uma historia dentro da umbanda , minha mae me deu esse nome , em homenagem ao caboclo ubiratan . sou um eterno admirador de ze pilintra e fui criado dentro da umbanda , sempre gostei de tocar e cantar, por isso acho q sou ogam , mas nunca fui reconhecido , como tal , porem de um tempo para ca venho sentindo seu ze muito proximo de mim , ate q um dia dentro de um puteiro uma mulher olhou para mim e perguntou c eu era ze , dai entao , sai de mim e so me dei conta 5 horas depois ja com o dia claro ,, ao meu redor muitas latas de cerveja muitas mesmo , e muitas guimbas de cigarro , fiquei feliz e preocupado , todos falaram q seu ze esteve ali , e c indentificou como ; ze do cas do catimbo , sera q existe esse ? bem nao sei o q aconteceu e fico aki na duvida do q fazer ,,,, um forte abraço. ubiratan rj

  2. Eu Sou Ogam Léo,Sou Do Terreiro De Iguaba Do InlÊ De Odé…

    Noiis Lá No Terreiroo De Umbandaa, Maiis Minha Mãe De Santo E Raspada No Candomble …

    Mãe Lourdes De Odé

    Eu Sou De Odé, Maiis Carrego Malandroo..

    Um Grande Abraço Pai Joel , BENÇA ?

    MEU PAI O’XOSSI TE ABENÇOE ..

  3. Boa tarde!!
    O sr. conhece a entidade baiana Maria Bonita?
    Poderia me ensinar algumas coisas sobre ela?
    De onde vem… essas coisas todas?
    Muito obrigado e a sua bença!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.