i iNDA TEM FRANÇÊiS Qi DiZ Qi A GENTi NUM SEMO SERO

@ MÍDIA POLICIALESCA VIVE FANTASIA PSIQUIÁTRIACA. O sequestro da menor de 15 anos, ex-namorada do sequestrador, que terminou em tragédia, teve seus 15 minutos de fama na teratológica televisão nacional. E não faltaram os teratológicos depoimentos de “especialistas”: psiquiatras e psicólogos. Todos na árdua missão de prever os passos da chamada mente criminosa. Daí, o primeiro equívoco: tratar o caso de maneira “isolada”, a partir da psiquiatria lombrosiana, entendendo o sequestrador como anomalia social. Ignorando, portanto, o enunciado que produz a “anomalia” a partir da chamada normalidade. O infantilismo do amor cortês do sequestrador, denunciado pelo psiquiatra ao jornal é mais fantasioso do que a ilusão que o psiquiatra e o jornal têm de serem referencial de verdade necessário para a chamada opinião pública? Segundo equívoco: quem delira, e sobre o que? Qual a utilidade, afora o viés pseudocientífico do circo dos horrores televisionado, com direito a entrevista com o sequestrador e depoimento televisionado da sequestrada? Fantasiação psicótica em cadeira nacional? A quem pertence o enunciado delirante? Ao sequestrador, à emissora de tevê que lucra com a “fantasia” alheia ou o telespectador-videota, que é menos vouyeur que personagem da trama? O que ganha a sociedade com as sentenças diagnósticas sentenciadas em veículos de informação, além de ignorar as causas e confundir-se com os efeitos? No show midiático do cotidiano, o simulacro da existência dá mais lucro do que a falsificação do real: daí o anestesiamento coletivo. Não se pode sentir o que não existe. I inda tem françeis…

@ SOCIEDADE CIVIL PRESSIONA CONTRA TRABALHO ESCRAVO. Nesta sexta-feira, entidades da sociedade civil organizaram uma manifestação em favor da aprovação da PEC 438/2001, que prevê penas mais rígidas para exploradores de trabalho escravo no Brasil, incluindo aí a desapropriação das terras onde o crime foi comprovado. Há sete anos, a proposta tramita na câmara, e sempre é derrotada pela bancada ruralista e pelos interesses empresariais, capitaneados pelos representantes do DEM (o ex-e-ainda PFL). Os organizadores, que são formados por entidades de toda a sociedade civil, como a AMB (associação dos magistrados do Brasil), pretende recolher 2 milhões de assinaturas para pressionar os congressistas a aprovar a emenda. A entidade, em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego, publica também os telefones para denúncias de trabalho escravo: 0800 610101 (Sul, Centro-Oeste, Acre, Rondônia e Tocantins) e 0800 285 0101 (demais localidades). É a participação política da sociedade civil forçando a democracia representativa (e que nem sempre é democrática) a funcionar a favor da população, de quem emana a potência coletiva. I inda tem françeis…

@ TALIDOMIDA PODE SER BENÉFICO OU MALÉFICO, conforme o uso em situações determinadas. Se for usada no tratamento de pacientes com hanseníase, pode ajudar no combate da doença que tem no Brasil um dos países com maior incidência de casos. Mas se passar para um bebê em gestação, que pode ser tanto a partir do uso indiscriminado por mulheres grávidas e até através do sêmen de homens que façam uso da substância, pode fazer com que o bebê tenha e nasça com má-formação. Mesmo que geneticistas digam que quantidade de talidomida não é suficiente para atingir um feto, mesmo que médicos e usuários desconheçam todos os efeitos da talidomida, de todas as formas, o que não pode cessar é o amor; e para não se segurar na abstinência, é preciso usar preservativo ou o generalizado. I inda tem françêis…

Vamos que vamos

Que quando fomos não chegamos

E quando chegamos nunca fomos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.