Qualquer semelhança de tipos vivos com as marocas não é mera coincidência

As marocas e os marocos estão encontrando grande concorrência em muitos candidatos que se apresentam no horário eleitoral gratuito. Estão inflacionando o mercado publicitário eleitoral os ditos destes candidatos. É uma verdadeira exuberância de verves. Mas não é para isso que serve a verve? Para proporcionar rasgos de gargalhadas? Amigas marocas e amigos marocos, aproveitem, curtam e mandem para nós suas observações, que publicamos neste bloguinho intempestivamente democrático. Maroquemos, ora pois!

FAZ O QUE DIGO E NÃO FAZ O QUE FAÇO

Duas amigas, passando em frente ao TRE, comentam.

Eu estou adorando o trabalho pedagógico da Justiça Eleitoral esclarecendo o eleitor para não votar em corrupto. E tu, como professora, tá gostando?

Não!

Não?!

Não, e explico. Como ela quer que o eleitor acredite em sua campanha do voto consciente, se lá em Minas Gerais a Justiça Eleitoral permitiu que um cara com mais de 50 processos se candidate? A não ser que seja o “faz o que digo e não faz o que faço”.

NASCI NO LUGAR ERRADO

Dentro do ônibus lotadíssimo, com temperatura chaleira, duas estudantes conversam.

Eu nasci no lugar errado. Eu era para ter nascido na Europa.

Tu tá doida? Se tu tivesse nascido na Europa, tu eras outra pessoa, não eras amazonense e não estava agora aqui. E o pior: não ia votar no candidato que tu politicamente confias.

É verdade, fui mal. Quem sabe ele poderia perder por falta do meu voto.

SAINDO PARA A BLITZ

Tu já viste no horário eleitoral um candidato que sua propaganda lhe mostra saindo de casa vestindo um colete à prova de balas para ir às ruas conquistar votos?

Não acredito!? Verdade?

Verdade, colega. O cara sai parece que vai enfrentar bandidos.

Talvez ele acredite que conseguir votos é uma verdadeira guerra de gangues.

Então ele está no acontecimento social errado. Na democracia, eleitor não é um bandido para os candidato se protegerem contra ele. Ou o voto contrário é uma bala?

Mas não tinha um candidato que dizia: “Teu voto é uma bomba!”

MIGRAÇÃO CERTA

Duas adolescentes conversam no pátio da escola:

Quando deixei minha terra com minha família, chorei muito, muito sofrimento, deixar um passado de criança para trás, foi doloroso. E o pior que meu pai e minha mãe não concordavam para que estado ir. Até que mamãe convenceu papai pra vir pra cá.

E tu gostas daqui de Manaus?

Ainda não de toda. Mas tem um ato que vou cometer que acho que vou passar a gostar pra valer.

Qual é?

É poder votar pela primeira vez em um candidato escolhido por mim, muito diferente dos pilantras que meu pai votava lá na nossa terra.

QUATRO ANOS NÃO É REFRESCO

Duas vizinhas na feira conversam sobre eleição:

Tu já escolheste teu candidato para prefeito?

Tô nem aí! Vou votar em qualquer um.

Tu tá doida, mulher. Vai que votes em trambiqueiro, enganador, corrupto. Vão ser quatro anos de sofrimento.

E o que é que eu tenho que ver com esse sofrimento?

Tu gostarias de voltar a viver os três anos com aquele teu marido que fez da tua vida um inferno?

Deus que me livre, vizinha! Esse sofrimento eu não quero nem para minha pior inimiga.

Pois é. Eleição é como escolher um companheiro. Se a gente escolhe bem, é feliz; se escolhe errado, é o verdadeiro inferno.

QUE ARTISTA QUE NADA

Tu já viu que tem um monte de candidatos com nome de artista, até apresentador de televisão?

É mesmo, é? Será que eles tão se candidatando porque vida de político é melhor que a de artista, e dá mais fama e dinheiro?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.